JULGAMENTO NO TSE SERÁ RETOMADO SÓ DEPOIS DE MAIO


A maioria dos setes ministros do Tribunal Superior Eleitoral votou por ampliar o prazo das alegações finais da defesa, atendendo a um pedido dos advogados de Dilma Rousseff, que afirmaram que o prazo correto era de 5 dias, e não 2, como estava previsto; o relator, Herman Benjamin, argumentou contra, falando em "procrastinação", mas acabou por votar a favor pelo acréscimo de três dias, a partir desta quarta-feira 5, para o início do julgamento; assista

247, com Agência Brasil - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta terça-feira 4, primeira sessão do julgamento da ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014, conceder mais prazo às defesas.

A decisão atendeu a um pedido dos advogados de Dilma Rousseff, que sustentaram que o prazo correto para as alegações finais era de 5 dias, e não de 2, como estava previsto.

O ministro relator, Herman Benjamin, argumentou contra, falando em "procrastinação", mas acabou por votar a favor pelo acréscimo de três dias, a partir desta quarta-feira 5, para o início do julgamento. A maioria seguiu seu voto.

Os ministros também acolheram pedido da defesa de Dilma para ouvir João Santana, Monica Moura e André Santana como testemunhas do juízo. E acolheu a oitiva do ex-ministro Guido Mantega. No caso de presidentes dos partidos políticos, como também pediu a defesa de Dilma, Benjamin argumentou que eles já disseram por escrito o que deveriam dizer e não deveriam ser ouvidos.

O julgamento, que estava previsto para começar às 9h, teve início com meia hora de atraso. A sessão foi suspensa por volta de 11h10.

Processo

Mesmo com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o processo continuou e pode terminar com a convocação de eleições indiretas, presididas pelo Congresso, caso a chapa seja cassada.

Em dezembro de 2014, as contas da campanha da então presidenta Dilma Rousseff e de seu vice, Michel Temer, foram aprovadas com ressalvas e por unanimidade no TSE. No entanto, o processo foi reaberto porque o PSDB questionou a aprovação, por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma, que teria recebido recursos do esquema de corrupção investigado na Lava Jato. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil da presidenta e do vice-presidente é julgada em conjunto.

A campanha de Dilma Rousseff nega qualquer irregularidade e sustenta que todo o processo de contratação das empresas e de distribuição dos produtos foi documentado e monitorado. A defesa do presidente Michel Temer sustenta que a campanha eleitoral do PMDB não tem relação com os pagamentos suspeitos. De acordo com os advogados, não se tem conhecimento de qualquer irregularidade no pagamento dos serviços.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE SEDIA O 'MODA E NEGÓCIOS', QUE VAI PARA A SUA TERCEIRA EDIÇÃO

MARANHÃO ANULA SESSÃO QUE APROVOU IMPEACHMENT

TÍTULO DE CIDADÃO PARA BETTO ARAGÃO. UMA JUSTA HOMENAGEM.

GREVE DE FOME DE CLODOALDO BARROS CHEGA AO FIM