Postagens

Mostrando postagens com o rótulo energia

Santa Cruz recebe projeto Energia com Cidadania da CELPE

Imagem
Projeto realiza troca de lâmpadas comuns por lâmpadas de LED, além de renegociar pagamentos de contas atrasadas Santa Cruz do Capibaribe está recebendo o projeto Energia com Cidadania realizado pela Celpe, em parceria com a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Governo e Desenvolvimento Social. O projeto, que tem como objetivo principal a conscientização da população sobre o uso seguro de energia elétrica, realiza a troca de lâmpadas fluorescentes a partir de 14 watts, lâmpadas incandescentes e alógenas, por lâmpadas de LED, que além de terem mais longevidade, economizam mais energia. Além disso, o Energia com Cidadania fornece a população a oportunidade de negociar suas dívidas com a distribuidora, podendo parcelar o valor no cartão de crédito ou débito, além da inclusão da tarifa social na conta. "Vou economizar quase 100 reais só com trocas de lâmpadas. É uma iniciativa maravilhosa", destacou a dona de casa Monalisa. O secretário executivo de Desenvolvimento Social Tody D

LAURA GOMES DENUNCIA: PRIVATIZAÇÃO DA CHESF VAI AUMENTAR O PREÇO DA CONTA DE LUZ

Imagem
“O próprio governo reconhece que haverá aumento da conta de luz com a privatização da CHESF. E nós sabemos que isso já aconteceu depois das privatizações do setor elétrico no governo Fernando Henrique”, a denúncia é da deputada Laura Gomes, que também se coloca contra a entrega da distribuidora de energia a grupos privados porque implica entregar o controle das águas do Rio São Francisco a pessoas sem compromisso público por terem como prioridade o lucro. A posição da deputada socialista foi anunciada em pronunciamento na Audiência Pública da Privatização da CHESF, realizada na manhã desta segunda-feira no auditório da Assembleia. Laura Gomes integra a coordenação da Frente Parlamentar como líder de bancada do PSB. Para ela “o partido está contra a entrega da CHESF ao setor privado porque além do valor irrisório para vender a empresa, o governo sustenta que os 30 bilhões de reais a serem arrecadados servirão para tapar o rombo das contas, que está em 159 bilhões de reais e com ten

Conta de luz não terá cobrança de taxa extra em dezembro, diz Aneel

Imagem
Do UOL, em São Paulo A conta de luz de dezembro não terá cobrança de taxa extra, informou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta sexta-feira (25). Devido as condições melhores dos reservatórios, a agência decidiu que a bandeira tarifária voltará a ser verde.  A cobrança de taxa extra vigorou em novembro pela bandeira amarela, com R$ 1,50 a mais a cada 100 kWh consumidos. As bandeiras começaram a ser cobradas em janeiro de 2015 e servem para cobrir o custo mais alto de gerar energia por meio das usinas termelétricas, quando a seca (atualmente no Norte e Nordeste) prejudica os reservatórios das hidrelétricas pelo país.  De abril até outubro, não houve cobrança de taxa, porque também estava em vigor a bandeira verde. Pouca chuva, conta mais cara Quando há pouca chuva, o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas cai, o que diminui a produção de energia. Para compensar essa queda, o governo manda acionar usinas termelétricas, a carvão, que sã

Bandeira vermelha já encarece conta de luz

Imagem
Dependendo do período de medição do consumo, fatura pode estar 3% mais cara com o novo sistema implantado pelo governo federal Já olhou sua última conta de energia elétrica? Dependendo do período de medição, ela pode estar 3% mais cara. Isto porque, desde 1º de janeiro, entraram em vigor no Brasil as bandeiras tarifárias. As sinalizações, indicadas pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), começaram a aparecer nas contas como um acréscimo e irão variar entre bandeiras verde, amarela e vermelha. Em janeiro, a bandeira ficou vermelha em todo o país, representando um acréscimo R$ 0,03 em cada quilowatts/hora consumido. Nos meses de bandeira amarela, o acréscimo será de R$ 0,015 em cada quilowatts. Quando a bandeira for verde, nenhuma acréscimo será feito. A sinalização foi criada pelo governo para compensar o aumento no custo do setor elétrico sempre que faltar chuva e as usinas Termelétricas precisarem ser ligadas. Quanto mais essa energia for usada, mais alto o acréscimo.  D

FALTA ENERGIA E FALTA DE VERGONHA

Imagem
por Paulo Moreira Leite Não dá para falar no perigo da falta de energia sem debater quem fez campanha permanente contra hidroelétricas É inacreditável. Os cortes de energia ocorridos nos últimos dias têm sido usados por economistas e observadores ligados à oposição para sua revanche diante dos benefícios obtidos pela população mais pobre nos últimos anos e tentar desgastar o governo. O argumento é sentimental: dizer que ocorreu uma grande ampliação do consumo, em particular de eletro-domésticos, mas lamentar em tom lacrimoso que não houve um aumento correspondente na oferta de energia. O truque é esconder o que ocorreu com nossa oferta de energia — e quem é responsável pelo que acontece agora. Não estamos falando de um episódio que aconteceu ontem ou na semana passada nem há dois anos, mas de uma política de décadas. Qualquer que seja a causa real para os cortes de energia dos últimos dias, a verdade é que o país estaria em situação muito mais segura e confortáve

Horário de verão acaba em 10 estados e no Distrito Federal

Imagem
Moradores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste atrasaram os relógios. Medida que durou 119 dias economizou 2.565 megawatts de energia. Do G1, em São Paulo Terminou à 0h deste domingo (16) o horário de verão. Devem atrasar seus relógios em uma hora moradores dos estados: Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, além do Distrito Federal. O objetivo do horário de verão é aproveitar os dias mais longos do verão, com mais tempo de luz solar, para reduzir o consumo de energia. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a medida foi responsável por economizar R$ 405 milhões e uma redução de energia, no horário de maior uso, de 2.565 megawatts, durante os 119 dias do período. A redução de demanda representa cerca de 4% do consumo médio de energia nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.