O que falta explicar na reforma

Governo divulga idade mínima e transição, mas sobram dúvidas sobre o alcance do texto que será enviado ao Congresso na próxima quarta-feira

Murilo Rodrigues Alves
Editor em Brasília
Estadão

Enfim, o presidente Jair Bolsonaro bateu o martelo sobre a reforma da Previdência. Pelo que foi divulgado, o texto que o governo vai enviar este mês ao Congresso ficou no meio do caminho entre a proposta “aditivada”defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem ele chama de Posto Ipiranga, e uma versão bem mais suave, que o próprio presidente queria.

O Estadão/Broadcast antecipou a proposta de Guedes – que foi confirmada por várias fontes do governo, inclusive o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Mesmo com os argumentos da equipe econômica, o presidente preferiu uma versão um pouco mais branda, mas com “gordura” para ser queimada no Congresso nas negociações com deputados e senadores. Ainda mais neste momento em que o governo está em meio a uma crise política.

Guedes conseguiu emplacar uma proposta com economia de R$ 1,1 trilhão em dez anos. A versão original previa uma economia maior, de R$ 1,4 trilhão. Resta saber como vai ficar depois das mudanças que serão feitas pelos parlamentares. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deixa o Palácio 
da Alvorada após reunião com o presidente. 
 Foto: Dida Sampaio/Estadão

O que foi divulgado até agora?

Idade mínima: será de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

Hoje, não há idade mínima para se aposentar no Brasil porque ainda há a possibilidade de pedir o benefício pelo tempo de contribuição. Para isso, basta ter 35 anos (no caso dos homens) e 30 anos de contribuição (mulheres).

No ano passado, quem solicitou ao INSS aposentadoria por tempo de contribuição tinha em média pouco mais de 54 anos e conseguiu um benefício de quase R$ 2 mil. Já os segurados que solicitaram o benefício por idade (pela regra atual, é necessário que o homem tenha 65 anos e a mulher, 60 anos) tinha em média 61 anos e recebeu R$ 969.

Tempo de transição: 10 anos para homens e 12 anos para mulheres.

O governo não explicou oficialmente como vai ser a transição na aposentadoria por tempo de contribuição, mas o Estadão/Broadcast apurou que o trabalhador vai poder optar por três caminhos (o que lhe for mais vantajoso):

a) por uma regra em que a idade mínima começa 56 anos para mulheres e 60 anos para homens e sobe gradualmente até atingir 62 anos para mulheres e 65 anos para homens;

b) por um sistema de pontos (em que é preciso somar idade e tempo de contribuição);

c) ou pelas regras atuais (30 anos de contribuição para mulheres e 35 anos de contribuição para homens) nos dois primeiros anos de vigência da reforma, mas com um valor de aposentadoria menor.

E o que o governo ainda não detalhou da reforma?

Benefícios assistenciais para idosos e pessoas com deficiência vão ficar abaixo do salário mínimo?

Esse é um dos pontos mais polêmicos. O desejo da equipe econômica é que o benefício assistencial (que é diferente de aposentadoria) comece com R$ 500 para todos que comprovarem “miserabilidade” aos 55 anos. Depois das críticas, o governo correu para dizer que a inspiração é internacional. A reportagem do Estadão apurou que Bolsonaro chancelou esse tipo de benefício, mas os valores não foram divulgados.

Como vão ficar as exigências para o trabalhador rural se aposentar?

Em meio a um embate entre os Ministérios da Economia e Agricultura por corte em subsídios do crédito rural e protecionismo para os produtos brasileiros, as exigências para os trabalhadores rurais têm potencial de dividir ainda mais o governo e serem barradas no Congresso. O desejo da equipe econômica era exigir 60 anos de homens e mulheres. O que o Bolsonaro definiu? Da última vez, ele ficou do lado da ministra Tereza Cristina, que em entrevista ao Estadão já tinha criticado essas idades.

Como a reforma atingirá os servidores públicos?

Não ficou claro se as idades mínimas também serão a regra para os servidores públicos nem qual será a transição. Os funcionários públicos que ingressaram depois de 2013 contribuem até o teto do INSS (R$ 5,8 mil atualmente). Se quiserem receber uma aposentadoria maior, precisam contribuir para um fundo de pensão. Os que ingressaram antes de 2003 têm direito a se aposentar com o último salário da carreira (a chamada integralidade) e a aos mesmos reajustes da ativa (paridade). Nove de cada dez servidores do Executivo que poderão pedir aposentadoria neste e no próximo ano têm direito a esses benefícios.

Bolsonaro deixou no texto a proibição de que a União banque o rombo da aposentadoria dos funcionários públicos?

Qual será a regra para professores, militares, policiais federais e políticos?

Na proposta da equipe econômica todas as categorias tinham sido incluídas, sem exceção. Professores públicos se aposentariam aos 60 anos (homens e mulheres); policiais, aos 55 anos (ambos os sexos); e políticos, aos 65 anos. Para os militares das Forças Armadas, seria criada uma alíquota que não poderia ser menor que a cobrada no INSS (de 8% a 11% do salário). Hoje, eles pagam 7,5% para financiar o pagamento de pensões. Tudo isso ficou no texto ou o presidente barrou algo?

Será proibido o acúmulo de benefícios?

A equipe econômica defende que seja vedado o recebimento de mais de uma aposentadoria em um mesmo regime (INSS ou servidores), a não ser no caso de funcionários públicos que podem acumular cargos. No caso de recebimento de mais de uma pensão, ou de pensão e aposentadoria, seria assegurado recebimento do valor integral do maior benefício e uma parte dos restantes. Essa restrição ficou no texto ou o presidente a retirou?

Como se vê, apesar do anúncio de dois pontos importantes do texto, há ainda muitas dúvidas que precisam ser esclarecidas pelo governo até a próxima quarta, dia 20, quando o texto será encaminhado ao Congresso. O endurecimento das regras é apontado por todos os especialistas como condição necessária para a sustentabilidade das contas públicas. Só no ano passado, o rombo do INSS beirou os R$ 200 bilhões.

Mas não basta a comunicação oficial propagar que é uma “Nova Previdência” para retirar o termo reforma do caminho. Ou que os ministros digam que a proposta tem um “olhar fraterno” para os pobres.

Para ter a opinião pública a favor da reforma, é preciso explicar, em detalhes, todos os pontos do texto para que fique exposta a “cota de sacrifício” de cada um.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara