Candidatos terão doações menores nas eleições de 2018


Do Correio Braziliense

Depois dos escândalos ligados ao financiamento de campanhas e também da decisão do STF em restringir doações empresariais, candidatos terão um cenário difícil para obter voto do brasiliense

Alcance a obras milionárias, proteção em comissões parlamentares de inquérito, favorecimento por meio de licitações fraudadas, facilidades asseguradas via projetos de lei, benesses no serviço público. Por anos, grandes empresas abasteceram os cofres de campanhas eleitorais em trocas desses — e outros — favores políticos. Parte dos esquemas de corrupção, inclusive, tornou-se alvo das Operações Lava-Jato, Patmos e Panatenaico (leia Investigações), que resultaram em prisões e medidas cautelares, como bloqueio de bens de gestores. Nas eleições de 2018, porém, a tendência é de que a farra diminua: pela primeira vez, os candidatos não poderão contar com as polpudas doações empresariais.

A determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), consolidada em 2015, e a minirreforma eleitoral subsequente, fecharam o cerco contra as fraudes e alteraram as regras da corrida eleitoral. No próximo ano, os concorrentes contarão apenas com doações de pessoas físicas (em até 10% da renda do ano anterior), recursos próprios (não há limite) e do Fundo Partidário, composto por dinheiro público. Antes, nomes jurídicos podiam realizar repasses equivalentes a até 2% do faturamento bruto do empreendimento.

As novas diretrizes acertam em cheio a política local. Para se ter ideia, dos 24 distritais eleitos, apenas um não recebeu auxílio de empresas — Chico Leite (Rede). O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) também contou com doações. Todos os valores estão discriminados na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, até então, são considerados regulares.

Com a baixa nos cofres, a expectativa é de que as campanhas se tornem mais trabalhosas e menos onerosas. Mesmo porque as legendas terão de reordenar os recursos do Fundo Partidário, que tem capital próximo de R$ 923 milhões, para abocanhar cargos majoritários e bancadas numerosas nas câmaras Legislativa e dos Deputados.

A condição influi diretamente sobre o número de concorrentes: menos dinheiro corresponde à baixa na pulverização. Ou seja, as siglas investirão apenas no financiamento das empreitadas dos políticos que tenham reais chances de vencer. Em 2014, por exemplo, 1.022 candidatos concorreram a um cargo na Câmara Legislativa. Na prática, o índice equivale a 42 concorrentes por vaga. A quantidade de partidos na disputa também tende a diminuir. Atualmente, o Brasil conta com 35 legendas.

Gastos

Não é apenas o dinheiro do Fundo Partidário que será focado pelas siglas. O montante arrecadado graças às isenções fiscais nas inserções em rádios e tevês, durante o horário nobre, também deverá ser melhor utilizado nas campanhas eleitorais, conforme pontua o secretário-geral do Contas Abertas, Gil Castello Branco. “A propaganda gratuita, na verdade, é paga pelas emissoras e pelo contribuinte. O desfile dos partidos pelos veículos de comunicação custa cerca de R$ 800 milhões aos cofres públicos e privados. Como as siglas não têm de pagar o valor, podem economizá-lo e redistribuí-lo”, aponta.

Ademais, os candidatos a cargos públicos terão de suar pela contribuição monetária direta dos eleitores. Ainda mais, dada a atual conjuntura. “É difícil imaginar alguém retirar do bolso dinheiro para financiar a campanha de concorrentes manchados por denúncias e prisões”, pontua Castello Branco.

Ademais, em território brasileiro, não há a cultura de pessoas físicas — sem ligações com movimentos políticos ou ao concorrente em si — realizarem doações, segundo o cientista político João Paulo Peixoto. “Nos Estados Unidos, por exemplo, o repasse dos valores é comum. No Brasil, porém, por não precisarem do dinheiro do eleitorado, apenas do voto, os políticos nunca trabalharam arduamente para arrecadar esses subsídios.

Com as atuais regras, outra forma a ser explorada para angariar recursos à campanha é o autofinanciamento. Dessa maneira, em tese, os políticos mais abastados sairiam na frente, com mais recursos para contratar marqueteiros e bancar materiais de divulgação. “Os endinheirados poderão se beneficiar, desde que contem com o apoio de uma base política. Na prática, os caciques, que, inclusive, já detêm um mandato, terão mais chances de se eleger”, argumenta o cientista político Everaldo Moraes. Em tempos de internet e militância pulsante, contudo, também podem equalizar o jogo aqueles que fizerem bom uso das redes sociais e do discurso ideológico, destaca o especialista.

Apesar da mudança de regras da corrida eleitoral, é consenso entre os especialistas a necessidade de transformações mais contundentes, como a melhoria dos canais de transparência. Afinal, “o fim do financiamento empresarial não corresponde à extinção do caixa 2 e da trocas de favores”, conforme pontua Everaldo.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

Depois de fazer críticas a Paulo Câmara, Lula senta à mesa com o governador

Bitcoin só perde para o Magazine Luiza em valorização em 2017

Líder do PT confirma nome de Marília Arraes em 2018 e diz que Fernando Filho não tem chance