APÓS INUNDAÇÕES E MORTES, MINISTÉRIO E GOVERNO DE PE TROCAM ACUSAÇÕES


Ministério da Integração Nacional afirmou que falhas nos projetos de construção de quatro das cinco barragens planejadas em 2010 para impedir enchentes em Pernambuco determinaram a devolução de verba para a União; informação contradiz a versão do governo de Pernambuco de que faltaram recursos federais para as obras; nesse fim de semana, a Zona da Mata Sul do Estado sofreu com enchentes causadas pelas fortes chuvas e seria uma das áreas beneficiadas com as barragens; três pessoas morreram e mais de 40 mil estão desabrigadas ou desalojadas; promessa de "cinturão de barragens" foi feita em 2010, após uma enchente devastar cidades inteiras e desabrigar e desalojar mais de 80 mil pessoas; nesta quarta-feira (31), a defesa civil está em alerta máximo devido ao risco de chuvas acima do normal

Sumaia Villela, correspondente da Agência Brasil - O Ministério da Integração Nacional afirmou, em nota enviada hoje (30) à Agência Brasil, que falhas nos projetos de construção de quatro das cinco barragens planejadas em 2010 para impedir enchentes em Pernambuco determinaram a devolução de verba para a União. A informação contradiz a versão do governo de Pernambuco de que faltaram recursos federais para as obras. Nesse fim de semana, a Zona da Mata Sul do estado sofreu com enchentes causadas pelas fortes chuvas e seria uma das áreas beneficiadas com as barragens.

A Agência Brasil havia adiantado ontem (29) que havia a indicação de que outros problemas teriam contribuído para que a promessa feita em 2010 do "cinturão" de barragens da bacia do Rio Una não fosse cumprida pelo governo estadual. As estruturas foram planejadas depois que uma grande enchente devastou municípios e deixou cerca de 80 mil pessoas desalojadas e desabrigadas na região banhada pelo rio. Sete anos depois, apenas uma delas, a de Serro Azul, ficou pronta. O restante está com as obras paralisadas.

O estado diz que faltou dinheiro federal para concluir as outras. A versão foi apresentada ontem pelo próprio secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Steffani. No entanto, a nota do Ministério da Integração adiciona outros componentes: "o governo do estado identificou falhas e exigências de readequações nos projetos das barragens de Gatos e Panelas II, o que levou o ente a devolver os recursos federais já repassados pela União. No momento, o ministério aguarda novo escopo dos projetos e custos", diz o órgão, na nota.

Barragens

Sobre a Barragem de Guabiraba, o ministério diz que "apesar de ser possível executá-la", o estado não priorizou a obra em 2015 e optou por rescindir o contrato com a construtora. Para retomar as obras, a pasta federal indica que aguarda informações sobre a nova licitação a ser realizada e o levantamento do que falta ser feito. Em relatório de gestão do Ministério da Integração referente ao ano de 2014, a obra da barragem de Guabiraba tem execução física de 22%.

O ministério diz que houve prioridade para a construção da Barragem de Igarapeba, mas o estado comunicou que era necessária a liberação de R$ 63 milhões em recursos adicionais, não previstos no projeto original. "Essa solicitação foi feita ao Ministério da Integração Nacional em setembro de 2016 e está em análise pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão", diz a nota.

Ontem, o prefeito de Palmares, Altair Júnior, disse que a única barragem concluída, Serro Azul, impediu que a cidade "saísse do mapa", e que a inundação do município aconteceu por causa da cheia de dois afluentes do Rio Una, onde estão dois reservatórios não concluídos. Há mais de 10 mil desalojados e mil desabrigados no município. A cidade também foi uma das que mais sofreu com a última grande cheia de Pernambuco, em 2010, e que gerou o projeto do cinturão de barragens para prevenir inundações.

Outro lado

O governo do estado divulgou uma nota no início da noite de hoje que informa que os governadores de Pernambuco, Paulo Câmara, e de Alagoas, Renan Filho, chegaram a um acordo com o Ministério da Integração Nacional para o repasse de recursos para ações emergenciais nos estados. Pernambuco solicitou cerca de R$ 20,5 milhões para liberação imediata para ações emergenciais.

Segundo a nota, ficou acertado que será feito um levantamento conjunto das quatro barragens - Panelas II, Gatos, Igarapeba e Barra de Guabiraba - que ainda não foram concluídas. Três novas barragens, uma no Agreste e duas na Região Metropolitana, que haviam sido incluídas na Emenda de Bancada de 2016 e não tinham sido empenhadas, também entrarão no pacote proposto pelo governador.

O cálculo preliminar do Ministério da Integração Nacional é que as obras deverão custar entre R$ 500 milhões e R$ 600 milhões para serem concluídas.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

FAMILIARES E AMIGOS SE DESPEDEM DO RADIALISTA AGNALDO SILVA

PARA RECORDAR. MATÉRIA QUE FIZ COM AGNALDO SILVA EM 2014

Deputado fala sobre necessidade de movimento jurídico para barrar privatização da Eletrobras

DISTRITO DE PÃO DE AÇÚCAR É DESTAQUE EM REPORTAGEM DO SBT POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

PRUDÊNCIO GOMES: "ESTOU À DISPOSIÇÃO DO POLO DE CONFECÇÕES"