Deputados promovem novo debate sobre a segurança pública no Estado

DISCUSSÃO – Oposição abordou último balanço 
sobre a violência e governistas destacaram ações 
em favor da PM. Foto: Henrique Genecy

A segurança pública foi, mais uma vez, o assunto que concentrou os debates na Assembleia Legislativa durante a Reunião Plenária desta segunda (20). Citando números do último balanço da Secretaria de Defesa Social, os deputados Álvaro Porto (PSD) e Sílvio Costa Filho (PRB) ocuparam a tribuna para criticar a condução do tema pelo Governo do Estado. Já os parlamentares Isaltino Nascimento (PSB) e Ricardo Costa (PMDB) destacaram as últimas ações promovidas em favor dos profissionais do setor e rebateram críticas da Oposição.

Abrindo as discussões, Álvaro Porto abordou o levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Maurício Nassau, o qual teria apontado que 56,2% dos recifenses não pretendem participar das festas de Carnaval da Capital. O motivo, segundo 44,4% das pessoas desse grupo, seria o medo da violência. “A inoperância do Governo está fazendo com que o folião abandone sua paixão, a sua cultura”, alegou. Porto também criticou a postura da gestão estadual ao definir como “isolados” os assaltos ocorridos em prévias no último domingo (19), em Olinda, na Região Metropolitana do Recife.

Em aparte, o deputado Joel da Harpa (PTN) sugeriu que o Estado oriente os municípios a promoverem festas de menor porte. “É errado passar para a sociedade a imagem de que está tudo bem e colocar em risco a vida da população. Até porque há um sentimento dentro da corporação da PM de boicotar o trabalho durante o desfile do Galo da Madrugada”, advertiu. O parlamentar refere-se a um grupo de militares que se opõe ao Projeto de Lei Complementar (PLC) n° 1.166/2017, aprovado pela Assembleia na última semana.

A declaração foi censurada pelo líder do Governo, Isaltino Nascimento. “A quem interessa chantagear o povo pernambucano dizendo que não haverá Galo? Esse não é o sentimento da base, de quem faz a corporação”, alegou o deputado, criticando “aqueles que fazem o discurso fácil, apostando no quanto pior, melhor”.

Segundo Isaltino, foi acertada a decisão do Governo de negociar os termos do projeto de lei com o comando da Polícia Militar. “Houve um tempo no Estado em que os destinos da PM eram dirigidos por um pequeno grupo, e isso está sendo revertido. Nós estamos colocando a polícia no rumo, e os que não obedecerem à hierarquia serão punidos”, sentenciou.

Os deputados Lucas Ramos (PSB) e Zé Maurício (PP), em apartes a Isaltino, mostraram apoio ao Governo. “O projeto apresentado pelo Executivo veio resgatar a valorização da corporação, o respeito à hierarquia e melhorias nas condições de trabalho e de remuneração da categoria”, disse Ramos. “Pernambuco foi um dos únicos Estados a dar reajuste salarial a policiais, em um momento em que todos têm dificuldade de fechar a folha de pagamento”, acrescentou Zé Maurício.

Por sua vez, a deputada Socorro Pimentel (PSL) pediu que os parlamentares da Oposição sejam respeitados. “Nós temos responsabilidade com quem votou na gente, e posso afirmar que os aumentos de tropa anunciados pelo Governo não chegaram ao Sertão”, disse.

Em seguida, o líder da Oposição, Sílvio Costa Filho, destacou o crescimento de 34% no número de assassinatos no Estado. O índice refere-se à comparação entre janeiro deste ano e o mesmo mês de 2016. “Tivemos o janeiro mais violento dos últimos dez anos, com 479 homicídios e 148 estupros”, ressaltou o deputado, que criticou a decisão do Governo de trocar o comando da Polícia Militar dias antes do Carnaval. “Querer jogar a responsabilidade da crise da segurança pública para as associações é um grande erro”, acrescentou, referindo-se ao embate travado na corporação em torno do PLC.

“Não vou admitir que o Governo mande recado dizendo o que o deputado da Oposição deve fazer ou dizer”, pontuou, em aparte, a deputada Teresa Leitão (PT). Já o governista Waldemar Borges (PSB) discorda sobre a forma como a Oposição aborda a questão da segurança. “Ela pede a troca de comandos e, quando isso é feito, diz que não é o que vai resolver. É um conjunto de incoerências que mostra falta de norte”, exemplificou, também em aparte.

Vice-líder do Governo, Ricardo Costa foi à tribuna pedir responsabilidade da Oposição. “No passado, fazíamos oposição ao governo instalado com muito respeito, olhando os limites do que se pode dizer e como fazer. Devemos colocar as palavras ajuizadamente”, considerou. “O Governo de Pernambuco está lidando com o tema com muita competência, com coragem para modificar estratégias”, observou.

Em aparte, Eduíno Brito (PP) afirmou que “é preciso reformular o sistema de segurança no Brasil, chamando os municípios para a discussão”. Por fim, Priscila Krause (DEM) criticou “a estratégia de comunicação adotada pelo Estado e reproduzida por alguns colegas, de desqualificação dos interlocutores que discordam do posicionamento do Governo”.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Bartol Neves assumirá mandato em Brejo da Madre de Deus

Depois de fazer críticas a Paulo Câmara, Lula senta à mesa com o governador

Bitcoin só perde para o Magazine Luiza em valorização em 2017

Líder do PT confirma nome de Marília Arraes em 2018 e diz que Fernando Filho não tem chance