Outubro Rosa: especialistas alertam para a epidemiologia do Câncer de Mama

Médicos do Núcleo de Oncologia do Agreste (NOA) reforçam a importância da mamografia no rastreamento precoce da doença


Depois dos cânceres de pele não melanoma, o câncer de mama é o tumor maligno que mais acomete mulheres em todo o mundo. Por ano, são cerca de dois milhões de novos casos em todo o mundo; no Brasil, até 2022, devem surgir aproximadamente 66 mil novos casos anualmente. O lado bom é que a mortalidade por essa doença vem diminuindo: “isso se deve aos avanços no tratamento da doença e, principalmente, ao rastreamento com a mamografia para mulheres com risco mediano e para aquelas de risco decorrente de síndromes genéticas de câncer”, afirma o oncologista Alexandre Sales, diretor médico do NOA – Núcleo de Oncologia do Agreste, sediado em Caruaru.

Um estudo realizado na Suécia, em 2019, e publicado na Revista Cancer mostra que mulheres dos 40 aos 69 anos que fizeram o exame de imagem para o rastreamento da doença tiveram uma redução de 60% do risco de morte: “isso mostra como é fundamental que as mulheres inseridas nesta faixa etária tenham a preocupação de procurar um especialista para que seja prescrita a mamografia”, reforça Alexandre Sales.

Há pelo menos dez anos, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional do Câncer (INCA) recomendam às mulheres que façam a mamografia e não fiquem só no autoexame, conforme explica Vanessa Honório, mastologista do NOA: “o tumor quando é palpável, geralmente já está grande, então, o objetivo é diagnosticar antes que chegue a esta fase, através do exame de rastreio, que é a mamografia; claro que a paciente tem que fazer o autoexame para se conhecer, mas caso venha a perceber alguma alteração, deve procurar um especialista porque o autoexame não substitui o rastreamento preconizado”.

Mas, afinal, quais são os sinais e os sintomas do câncer de mama? Muitas mulheres acreditam que terão alguma sintomatologia e com ela virá a preocupação em buscar ajuda médica, mas isso é um engano. “Sabemos que 99% dos cânceres de mama são assintomáticos, ou seja, ele não vai dar nenhum sinal de que está se desenvolvendo no organismo. O importante é fazer os exames de rotina, de acordo com a faixa etária, e a partir daí, procurar o mastologista que é o especialista ideal para o acompanhamento”, afirma o mastologista Aristóteles Diniz, que também faz parte do quadro clínico do NOA.

Em relação aos sinais, o especialista diz que eles são perceptíveis a depender da localização do tumor: “ele, por exemplo, pode causar uma retração ao bico do seio (a aréola) se estiver muito próximo a esta região; pode provocar o surgimento de secreção estranha e espontânea; pode causar uma assimetria entre as mamas... são sinais de alerta que apontam que as mulheres precisam procurar um médico o mais rápido possível”.

Outubro Rosa – O movimento de sensibilização para os riscos do câncer de mama surgiu nos anos 1990, nos Estados Unidos, e hoje é comemorado em todo o mundo. O nome faz referência à cor do laço rosa que simboliza a luta contra a doença e estimula a participação da população, empresas e entidades em campanhas. Anualmente, o Núcleo de Oncologia do Agreste se mobiliza para levar o máximo de informações às pessoas sobre a necessidade de as mulheres, em especial, buscarem fazer exames que possam diagnosticar, de forma precoce, a doença e, com isso, terem uma chance mais alta de cura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado