Demissão de Moro: leia análises de colunistas e articulistas do 'Estado'

Saída do ex-juiz da Lava Jato do governo de Jair Bolsonaro tem implicações jurídicas e eleitorais

Redação, O Estado de S.Paulo



Sérgio Moro anuncia saída do Ministério da Justiça
 Foto: Gabriela Biló/Estadão

Confira a opinião de colunistas e analistas do Estado:

Fausto Macedo e Andreza Matais: Moro atira no coração de Bolsonaro

Desprestigiado e desautorizado, com a demissão do diretor geral da PF Maurício Valeixo sem sua anuência, pior, sem seu conhecimento, Moro tenta evitar a completa desmoralização ao dar adeus ao ministério. Por isso apontou para o peito de Bolsonaro. E acusa o presidente de querer interferir na rotina de uma Polícia que age apartidariamente. Leia mais.

Eliane Cantanhêde: Moro abre espaço para o processo de impeachment de Bolsonaro

O ponto mais chocante foi quando Moro disse que Bolsonaro exige ter acesso direto ao diretor geral e aos superintendentes da PF e, inclusive, pasmem!, aos relatórios de inteligência e aos relatórios sigilosos sobre as investigações de corrupção e crime organizada. Isso é gravíssimo. Caracteriza crime de responsabilidade e tem uma dimensão muito maior do que as próprias pedaladas fiscais que deram base jurídica ao impeachment da então presidente Dilma Rousseff. A sombra do impeachment está se avolumando sobre Bolsonaro. Leia mais.

Vera Magalhães: Moro sai para ser pivô do impeachment de Bolsonaro

Com o pronunciamento histórico que fez, Moro passa a encarnar dois tipos de personagens de processos anteriores de impeachment: o do aliado que rompe, como Pedro Collor com o irmão, em 1992, e do jurista que capitaneia o processo, como fizeram Janaina Paschoal, Miguel Reali Jr. e Hélio Bicudo no caso de Dilma Rousseff. Leia mais.

Vera Rosa: Moro desnuda farsa do combate à corrupção e antecipa jogo de 2022

A ferida aberta no bolsonarismo com a demissão do titular da Justiça, o mais popular do governo, é maior do que se imagina. O agora ex-ministro escancarou bastidores de conversas com Bolsonaro com detalhes que deixaram a República perplexa. Ao relatar pressões para defenestrar o então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, Moro afirmou: “Falei ao presidente que seria interferência política. Ele disse que seria mesmo”. Leia mais.

Marco Antonio Teixeira: Bolsonaro acaba de construir seu maior adversário político​

Ao fritar Sérgio Moro, Jair Bolsonaro não apenas aumentou perigosamente o seu isolamento, como também construiu seu maior adversário político para 2022, caso seja candidato a reeleição ou termine o mandato. Moro poderá, inclusive, mostrar sua força política com a possibilidade de interferir já nessas eleições de 2020. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS