Demissão de Moro: leia análises de colunistas e articulistas do 'Estado'

Saída do ex-juiz da Lava Jato do governo de Jair Bolsonaro tem implicações jurídicas e eleitorais

Redação, O Estado de S.Paulo



Sérgio Moro anuncia saída do Ministério da Justiça
 Foto: Gabriela Biló/Estadão

Confira a opinião de colunistas e analistas do Estado:

Fausto Macedo e Andreza Matais: Moro atira no coração de Bolsonaro

Desprestigiado e desautorizado, com a demissão do diretor geral da PF Maurício Valeixo sem sua anuência, pior, sem seu conhecimento, Moro tenta evitar a completa desmoralização ao dar adeus ao ministério. Por isso apontou para o peito de Bolsonaro. E acusa o presidente de querer interferir na rotina de uma Polícia que age apartidariamente. Leia mais.

Eliane Cantanhêde: Moro abre espaço para o processo de impeachment de Bolsonaro

O ponto mais chocante foi quando Moro disse que Bolsonaro exige ter acesso direto ao diretor geral e aos superintendentes da PF e, inclusive, pasmem!, aos relatórios de inteligência e aos relatórios sigilosos sobre as investigações de corrupção e crime organizada. Isso é gravíssimo. Caracteriza crime de responsabilidade e tem uma dimensão muito maior do que as próprias pedaladas fiscais que deram base jurídica ao impeachment da então presidente Dilma Rousseff. A sombra do impeachment está se avolumando sobre Bolsonaro. Leia mais.

Vera Magalhães: Moro sai para ser pivô do impeachment de Bolsonaro

Com o pronunciamento histórico que fez, Moro passa a encarnar dois tipos de personagens de processos anteriores de impeachment: o do aliado que rompe, como Pedro Collor com o irmão, em 1992, e do jurista que capitaneia o processo, como fizeram Janaina Paschoal, Miguel Reali Jr. e Hélio Bicudo no caso de Dilma Rousseff. Leia mais.

Vera Rosa: Moro desnuda farsa do combate à corrupção e antecipa jogo de 2022

A ferida aberta no bolsonarismo com a demissão do titular da Justiça, o mais popular do governo, é maior do que se imagina. O agora ex-ministro escancarou bastidores de conversas com Bolsonaro com detalhes que deixaram a República perplexa. Ao relatar pressões para defenestrar o então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, Moro afirmou: “Falei ao presidente que seria interferência política. Ele disse que seria mesmo”. Leia mais.

Marco Antonio Teixeira: Bolsonaro acaba de construir seu maior adversário político​

Ao fritar Sérgio Moro, Jair Bolsonaro não apenas aumentou perigosamente o seu isolamento, como também construiu seu maior adversário político para 2022, caso seja candidato a reeleição ou termine o mandato. Moro poderá, inclusive, mostrar sua força política com a possibilidade de interferir já nessas eleições de 2020. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz