A PÁSCOA E O SEU SIGNIFICADO

PÁSCOA

A Páscoa é uma celebração do calendário religioso cristão em memória à crucificação e à ressurreição de Jesus Cristo. A celebração cristã inspirou-se em uma comemoração judaica chamada pesach, que acontecia na mesma época que Jesus supostamente foi crucificado e ressuscitou.

Uma característica bem conhecida da Páscoa é o fato de que sua celebração é móvel, portanto, todo ano ela é realizada em uma data diferente. Os critérios usados para definir essa data foram estabelecidos pelas autoridades da Igreja Católica durante o Concílio de Niceia, realizado no século IV d.C.


Origem da Páscoa

A Páscoa comemorada pelos cristãos é uma re-significação de uma festa judaica. No entanto, a comemoração cristã e a judaica têm significados completamente distintos. Esta, chamada de pesach, era realizada pela lembrança da libertação dos hebreus da escravidão no Egito.

Essa história é narrada nos “Pentateucos” — os cinco primeiros livros da Bíblia. A palavra pesach, do idioma hebraico, significa “passagem” e faz menção à passagem do anjo da morte no Egito — a décima praga, conforme a narrativa bíblica. A festa foi revisada pelos cristãos, passando a relacionar-se à crucificação e ressurreição de Cristo.

Importância da Páscoa

A Páscoa é, para muitos cristãos, a festa de maior importância do calendário religioso, uma vez que ressalta um acontecimento de grande importância dentro da fé cristã: a ressurreição — entendida no cristianismo como uma demonstração da divindade de Jesus.

Essa ideia pode ser percebida na Bíblia, uma vez que ela registra uma fala de Paulo, que afirma (em I Coríntios 15:14): “E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé”|1|. Assim, podemos identificar a importância da ressurreição de Jesus dentro da visão religiosa do cristianismo.

Desse ponto de vista, foi por meio da ressurreição que a humanidade teve a redenção de seus pecados. Jesus Cristo, portanto, voluntariamente sacrificou-se para redimir a humanidade e dar-lhe uma nova chance de salvação. Uma vez realizado o sacrífico, o poder de Deus teria se manifestado.

Semana Santa

O calendário litúrgico praticado pelos católicos acompanha a aproximação da Páscoa com muita devoção. A preparação dela é realizada no decorrer da quaresma — período de 40 dias que antecede essa celebração e quando os fiéis realizam alguma penitência (o tipo de penitência é escolhida por cada pessoa).

Outra marca importante dessa preparação é a Semana Santa, uma tradição que busca relembrar os passos de Jesus durante sua última semana, passando por sua crucificação e ressurreição. Na tradição católica, a Semana Santa é iniciada no Domingo de Ramos e relembra a chegada triunfal de Jesus a Jerusalém.

A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém marca o Domingo de Ramos, 
momento que inicia a Semana Santa.

A Semana Santa também relembra a Última Ceia, na Quinta-Feira Santa. Essa foi a última ceia de Jesus com seus discípulos. Ela foi realizada durante a celebração judaica citada (pesach), e nela Jesus anunciou que um dos discípulos o trairia e que os outros fugiriam perante a sua perseguição.

Na Quinta-Feira Santa, é realizado o Rito do Lava-Pés como forma de relembrar o ato de Jesus de abaixar-se para lavar os pés de seus discípulos no local que tomavam a ceia. O ato é entendido dentro da crença cristã como uma demonstração de um importante mandamento de Cristo: o de amar uns aos outros.

Ainda na Quinta-Feira Santa, Jesus foi preso como resultado da traição de Judas Iscariotes. No dia seguinte, a Sexta-Feira Santa, ele foi torturado e condenado à morte. A tradição cristã costuma encenar esses acontecimentos em peças teatrais conhecidas como Paixão de Cristo. Depois de condenado, Cristo foi crucificado em uma colina conhecida como Gólgota.

Ainda na Semana Santa, o dia seguinte à crucificação de Cristo é conhecido como Sábado de Aleluia, e o domingo no qual ele ressuscitou é o Domingo de Páscoa.


Tradições pascais

As encenações da prisão, crucificação, morte e ressurreição de 
Cristo são conhecidas como Paixão de Cristo. [1]

Como mencionado, a Páscoa é uma das celebrações mais importantes do calendário religioso dos cristãos, e, portanto, tradições são realizadas nesse período. Neste texto já mencionamos a crucificação e ressurreição de Cristo, conhecidas como Paixão de Cristo.

No Sábado de Aleluia, em determinados locais, é realizado um ritual conhecido como Malhação de Judas, no qual um boneco com proporções humanas é espancado e queimado como uma espécie de punição a Judas por ter traído Jesus. Durante a Páscoa, é tradição que as missas ou cultos sejam voltados para a celebração desses acontecimentos e grandes ceias (Eucaristia, para os católicos) são realizadas.

No interior do estado de Goiás, um ritual de Páscoa é realizado há quase três séculos: a Procissão do Fogaréu. Essa procissão foi introduzida na cidade, em meados do século XVIII, por um padre espanhol e encena a perseguição e prisão de Jesus Cristo. A festa é um dos grandes patrimônios da cultura daquele estado e reúne milhares de pessoas todos os anos.

Os ovos de Páscoa são um importante item das tradições 
seculares relacionadas com a Páscoa.

De um ponto de vista secular, a Páscoa também tem tradições bastante consolidadas. Essas práticas têm relação com os ovos de Páscoa e podem manifestar-se pela troca deles como presentes, ou, no caso das crianças, pela brincadeira de fazê-las procurarem-nos dentro de um certo espaço.

A data da Páscoa, como mencionado, é móvel, e sua instituição foi feita, no século IV, pela Igreja Católica. Durante o Concílio de Niceia, as autoridades da Igreja definiram sua celebração para o primeiro domingo que acontece após a lua cheia seguinte ao equinócio de primavera (para o Hemisfério Norte).

Notas

|1| I Coríntios 15: 14. Para acessar, clique aqui.

Créditos da imagem


Por Daniel Neves
Professor de História

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS