Dólar segue em disparada e atinge R$ 4,40 pela primeira vez na história

Moeda norte-americana registrou mais um recorde de fechamento nominal na quinta-feira (20), e alta persiste

Por Brasil Econômico

shutterstock
Dólar atinge R$ 4,40 pela primeira vez na história nesta sexta-feira (21)

O dólar abriu em alta nesta sexta-feira (21), seguindo trajetória de disparada dos últimos dias e batendo mais um recorde negativo. Pela primeira vez na história, a moeda norte-americana atinge a marca de R$ 4,402 (+0,23%), às 10h00. Na máxima diária até o momento, a cotação chegou a bater R$ 4,4061. O Ibovespa, principal indicador da Bolsa brasileira, a B3, tem forte queda nesta sexta, e atinge 114.586 pontos (-1,66%).
Na véspera, o dólar encerrou o dia vendido a R$ 4,3917, com uma alta de 0,61%, registrando mais um recorde nominal, ou seja, que desconsidera a inflação, de fechamento. Na máxima de quinta, a divisa chegou a atingir R$ 4,3982, que era até então a maior cotação nominal, superada nesta sexta.

Em 2020, a alta do dólar já é de 9,52%. Somente em fevereiro, a moeda norte-americana já subiu 2,49% até o fechamento desta quinta.

Nesta quinta, Paulo Guedes , ministro da Economia, voltou a minimizar a desvalorização do real . Ele repetiu, ao lado do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que o "novo normal" é um câmbio mais desvalorizado. Dois dias antes, o BC já havia dito também que está "tranquilo" com o câmbio, já que, por enquanto, não há grande impacto na inflação.

O que justifica a disparada do dólar em 2020?

As preocupações globais, em especial o novo coronavírus , ligaram o alerta do mercado em todo o mundo, o que favorece e valoriza o dólar, uma moeda forte. Internamente, o cenário de juros baixos e as preocupações em relação ao andamento das reformas geram insegurança, assim como as revisões feitas quanto ao crescimento econômico esperado para este ano.

Nesta semana, o Relatório Focus, documento que é divulgado a cada segunda-feira pelo BC com a participação de instituições do mercado financeiro, apontou que a projeção de alta do Produto Interno Bruto ( PIB ), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, caiu de 2,30% para 2,23%.
O crescimento aquém do esperado, inclusive, preocupa o presidente Jair Bolsonaro , que cobrou de Paulo Guedes um crescimento de, no mínimo, 2% neste ano. Para o capitão reformado, o governo precisa de dados econômicos que indiquem consistência na retomada econômica, até o fim do mandato, em 2022, já de olho nas eleições presidenciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado