44% reprovam governo Bolsonaro e 30% aprovam, aponta pesquisa Datafolha

A pesquisa ouviu 2.023 pessoas nos dias 15 e 16 de março. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Por G1

Datafolha: 54% dos entrevistados reprovam ações de Bolsonaro na pandemia; 22% aprovam

Levantamento do instituto Datafolha divulgado nesta terça-feira (16) pelo site do jornal "Folha de S.Paulo" informa que cresceu a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

Em resumo, os resultados da pesquisa são os seguintes:

Ótimo/bom: 30%
Regular: 24%
Ruim/péssimo: 44%
Não sabe: 2%

A pesquisa ouviu 2.023 pessoas nos dias 15 e 16 de março por telefone em razão das limitações motivadas pela pandemia de Covid-19. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

De acordo com o Datafolha, 44% dos entrevistados classificaram o governo como ruim ou péssimo — eram 40% no levantamento anterior, entre 20 e 21 de janeiro.

Os que consideravam o governo ótimo ou bom eram 31% e agora são 30% e os que julgavam regular eram 26% e agora são 24%, segundo o instituto.

Comparação com outros presidentes com tempos similares de mandato:

Temer (junho de 2018)

Ótimo/bom: 3%
Regular: 14%
Ruim/péssimo: 82%
Não sabe: 1%

Dilma 1 (março de 2013)

Ótimo/bom: 65%
Regular: 27%
Ruim/péssimo: 7%
Não sabe: 1%

Lula 1 (maio e junho de 2005)

Ótimo/bom: 35%
Regular: 45%
Ruim/péssimo: 18%
Não sabe: 1%

FHC 1 (maio de 1997)

Ótimo/bom: 42%
Regular: 38%
Ruim/péssimo: 18%
Não sabe: 2%

Itamar Franco (dezembro de 1994)

Ótimo/bom: 41%
Regular: 48%
Ruim/péssimo: 8%
Não sabe: 4%

Fernando Collor (setembro de 1992)

Ótimo/bom: 9%
Regular: 21%
Ruim/péssimo: 68%
Não sabe: 2%

Confiança

O Datafolha aferiu o grau de confiança dos entrevistados em relação às declarações de Bolsonaro:

Nunca confiam: 45% (eram 41% na pesquisa anterior)
Às vezes confiam: 35% (eram 38%)
Sempre confiam: 18% (eram 19%)
Não sabem: 2% (eram 2%)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado