“AS PESSOAS PRECISAM ESTAR NUM AMBIENTE EM QUE PODEM CONTRIBUIR”

Carlos Xavier, diretor de práticas digitais na Egon Zehnder da América Latina, e Leopoldo Paniagua, gerente de recursos humanos da Coca-Cola FEMSA, falam sobre cultura inovadora nas empresas


Carlos Xavier, André Chaves e Leopoldo Paniagua falam no Rethink Business Brasil 2017. - (Foto: Júlio Viana)

“Mais do que promover inovação ou empreendedorismo, queremos estimular a cultura da curiosidade.” Segundo Leopoldo Paniagua, gerente de recursos humanos da Coca-Cola FEMSA, este vem sendo um dos segredos da multinacional para fomentar novas ideias entre os funcionários da corporação.

O comentário foi feito em meio aos debates sobre inovação e futuro empresarial que tomam conta do “Rethink Business Brasil 2017” entre hoje e amanhã em São Paulo. Paniagua estava presente para contar melhor sobre a renovação de ambiente que vem acontecendo dentro das empresas.

“Sou contra pedir aos funcionários para serem, simplesmente, ‘empreendedores’ ou ‘inovadores’. Ninguém consegue ser assim sem o meio correto.” Para ele, é impossível que os colaboradores tragam novas ideias se riscos e erros são encarados de forma negativa na empresa.

André Chaves, que presta consultoria a startups e empresas sobre estratégia de inovação, também participou do debate e concorda com Paniagua. “Qualquer método da empresa só consegue ser efetivo quando tem o patrocínio da liderança”, diz ele.

“Não adianta nada você querer implantar uma cultura revolucionária de transformação na empresa se o pensamento retrógrado ainda impera lá dentro”, afirmou o outro participante do painel, Carlos Xavier, diretor de práticas digitais na Egon Zehnder da América Latina, uma das maiores headhunters de executivos do mundo.

“Muitas vezes, a equipe está tão desacostumada com a ideia de chefes abertos à contribuição que ficam travados diantes dessa possibilidade”, disse Chavez. Segundo o consultor, criar uma cultura de inovação não pode ser resultado da vontade de “aderir a uma moda”. Para ela dar certo, é preciso trabalhar para incuti-la no ambiente e nos detalhes. Só assim ela se tornaria orgânica.

“Para isso tudo dar certo, as pessoas precisam sentir que vão ser escutadas e que vão contribuir”, complementou Xavier. “Os maiores líderes de hoje em dia só estão lá porque se cercaram de uma equipe genial. É uma ilusão acreditar que startups de sucesso se construíram sozinhas apenas por causa dos founders.”

Paniagua afirma que na Coca-Cola, por exemplo, os funcionários que contribuírem com as melhores ideias aparecem na revista mensal da corporação. Além disso, eles têm chances frequentes de se encontrar com o CEO para dividirem suas opiniões. “Acabamos com a hierarquização hostil que impossibilitava o compartilhamento de informações.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara