Governo Bolsonaro: 20 milhões de brasileiros passaram 1 dia sem ter o que comer em 2021, afirma estudo


Por Maurício Falavigna

O conceito de segurança alimentar é classificado de três formas: leve, quando alguns alimentos básicos estão indisponíveis; moderada, quando essa pouca disponibilidade afeta parte da população sob o ponto de vista nutricional; e grave, quando se passa um dia ou mais sem comer.

Em abril de 2021, um estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Pessan) mostrou que cerca de 20 milhões de brasileiros passaram um dia ou mais sem ter o que comer.

Mais da metade dos lares da população (116,8 milhões de pessoas) sofre com algum tipo de insegurança alimentar. 55,2% dos lares brasileiros conhecem bem a insegurança alimentar, em 2018 esse percentual era de 33,7%. De 2019 para 2021, o número de pessoas em insegurança alimentar grave - fome - saltou de 10,3 milhões para 19,1 milhões.

LEIA TAMBÉM:

Em 2013, 77,1% dos lares brasileiros tinham segurança alimentar, um ineditismo, nosso recorde histórico. Em 2018, o percentual já havia caído para 63,3%, mesmo número de 2004, quando o governo Lula estava no início.

O sucesso de programas sociais como o Bolsa Família repercutiu no mundo todo. Afinal, era um País em que, ao final da década de 90, 300 crianças morriam de desnutrição e fome por dia. Do final dos governos petistas para cá, os números e as dores da fome alcançaram parcelas cada vez maiores da população, voltando ao final do século passado.

A fome aumentou em todas as regiões do País, mas se 9% da população geral brasileira passa fome, o indicador é de 18,1% no Norte e 13,8% no Nordeste. Também é maior na área rural e entre pessoas pretas e pardas, é maior nos domicílios chefiados por mulheres ou no qual a pessoa de referência da casa possui baixa escolaridade.

Tudo indica que esse massacre deve continuar: os preços médios da cesta básica aumentaram já no primeiro mês deste ano. Nas maior parte das capitais, a alta chega a comprometer mais de 60% do salário mínimo líquido. Itens básicos como açúcar, óleo de soja, batata, tomate e café foram os que mais subiram.

Quem vive com salário mínimo gasta mais da metade (55,2%) de sua renda para comprar itens básicos de alimentação. Na cidade mais rica, São Paulo, o comprometimento da renda chega a 63,67% do salário mínimo.

LEIA TAMBÉM:

O foco no agronegócio acentua essa situação dramática. O privilégio às commodities contrasta com a ausência de fomento à agricultura familiar: arroz, feijão e mandioca hoje possuem as menores áreas de plantio das últimas décadas.

Para completar a política da fome, o governo zerou os estoques reguladores e não deve retomar a política de formação de estoques públicos.

Com as altas taxas de desemprego, o achatamento da renda, a inflação crescente, o trabalho precarizado, a retirada de direitos, o campo ajoelhado para o agronegócio e um desamparo social que beira a desfaçatez, o combate à fome não voltará tão cedo. Permanecerá sendo uma política de exceção na nossa história.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

'Chocante é o apoio à tortura de quem furta chocolate', diz advogado que acompanha jovem chicoteado