O que seria da física se a universidade fosse restrita a uma elite intelectual?

Baseado na biografia de Michael Faraday, o professor Helinando Oliveira* prega a igualdade de oportunidade como meta da educação

Há um debate recorrente na sociedade sobre o papel da Universidade e o perfil dos universitários. E o foco evidentemente permeia a questão das cotas, dos pobres, da formação… Se a universidade for para uma elite intelectual, de fato, estaremos fechando suas portas para os mais pobres, os menos favorecidos. Sem os pobres na Universidade, o que a ciência perderia?

Para entender um pouco da complexidade desta pergunta, contaremos a história de Michael Faraday, um dos maiores experimentadores da história da ciência. Sua vida não foi conduzida por nobreza ou luxos – muito pelo contrário. Nascido em família pobre, Michael precisou abandonar os estudos aos 13 anos para trabalhar como entregador de livros. Mais tarde passou a encadernador, morando na casa de seu empregador. E mesmo em situação crítica, o interesse pelos livros guiou o jovem Faraday a um futuro brilhante: um dos livros que despertou o seu interesse foi “Conversations on Chemistry”. Com o apoio de um amigo que pagava as suas entradas, Faraday passou a assistir as aulas do químico Humpry Davy – e estas aulas foram ainda mais cruciais para o futuro daquele jovem brilhante. Sem o financiamento de um apoiador (uma política caseira de cotas a estudantes em condição de vulnerabilidade), Faraday nunca teria apresentado o seu brilhantismo a Davy, não seria seu assistente – não entraria para a ciência pela porta da frente.

Faraday descobriu o benzeno a partir de óleos naturais, trabalhou com os conceitos da eletricidade e do magnetismo, incorporou os conceitos de indução eletromagnética, criou o motor eletromagnético, desenvolveu a eletrólise, criou os conceitos de anodo, catodo, eletrólito… Em sua homenagem, a unidade de medida da capacitância é o Farad (F).

“Tenho muito mais confiança no homem que trabalha mental e fisicamente do que nos seis que simplesmente falam sobre isso”. Michael Faraday







Outro aspecto fundamental do perfil de Faraday foi relacionado ao seu interesse em divulgar a ciência entre os jovens, certamente por um sentimento de gratidão à ciência e pela esperança de ver esta ciência como uma conquista humana, voltada aos interesses do planeta. Prova maior disto foi a sua postura ética em se manter distante de projetos envolvendo armas químicas para uso na guerra da Crimeia.

E a identificação com suas origens o fez manter uma distância segura da “elite intelectual”. Recusou o título de cavaleiro (sir) e para o pós vida não aceitou a honraria do enterro na Abadia de Westminster. Os preconceitos que o perseguiram por toda a vida foram vacinas que garantiram a humildade deste que fora considerado por James Clerk Maxwell um gênio da ciência.

Por esta e outras histórias de persistência e dificuldade, chegamos ao cerne da questão: quantos Faradays da periferia brasileira serão jogados fora por não serem parte de uma elite intelectual? A educação continua sendo a única forma de rebeldia contra o sistema e toda e qualquer elite. É para descontruir tudo o que já estiver engessado que a ciência precisa ser popular e acessível. Lápis, caderno e livro… Para o filho do juiz e para o filho do ferreiro. Assim surgiu Faraday e assim será para muitos outros gênios. Igualdade de oportunidade, esta é meta.
Ciência Nordestina

A coluna Ciência Nordestina é atualizada às terças-feiras. Leia, opine, compartilhe e curta. Estamos no Facebook (nossaciencia), Twitter (nossaciencia), Instagram (nossaciencia) e temos email (redacao@nossaciencia.com.br). Use a hashtag CiênciaNordestina.


*Helinando Oliveira é Professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) desde 2004 e coordenador do Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos (LEIMO).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara