Surto de coronavírus lembra racismo e xenofobia contra orientais no Brasil

Por Leonardo Sakamoto

Hong Kong determina fechamento de todas as escolas para 
conter disseminação do coronavírus
Imagem: Foto: Kevin Frayer/Getty

Uma estudante de Direito denunciou ter sido vítima de racismo e xenofobia por uma passageira do metrô do Rio de Janeiro, neste sábado (1). "Essa mulher esperou eu me dirigir para a porta do vagão para gritar 'olha lá a chinesa saindo, sua chinesa porca', 'nojenta' e 'fica aí espalhando doença para todos nós'", postou Marie Okabayashi no Twitter, com um vídeo da agressora.

O surto do novo coronavírus veio acompanhado de outro, de xenofobia e racismo contra chineses e orientais. Histórias de pessoas que, por terem os olhos puxados, sofreram preconceito em espaços públicos, mesmo estando sãs, avolumam-se em vários países. Na França, relatos podem ser lidos na hashtag #JeNeSuisPasUnVirus - "NãoSouUmVírus". O preconceito e o ódio contra o estrangeiro se aliam à discriminação devido a características físicas, sociais e culturais de grupos étnicos.

No Brasil, isso não é novo. Muitas vezes passa despercebido por conta da integração dessas minorias à elite branca brasileira. Mas, inevitavelmente, elas são lembradas que nem toda diferença é tolerada.

Negros e indígenas sofrem racismo estrutural no Brasil. As instituições públicas e a sociedade foram programadas, desde a fundação do país, a excluir sistematicamente esses grupos de direitos que outros possuem, o que se traduz em piores oportunidades de trabalho, no pouco acesso à educação de qualidade, na violência de gênero mais agressiva, no tratamento genocida por agentes de segurança pública. É diferente do racismo sofrido por outros povos, o que não significa que ele não existe.

Às demonstrações de preconceito nas redes sociais por conta do coronavírus, soma-se, recentemente, a ignorância orgulhosa presente nas ofensas ao jogador japonês Keisuke Honda, nova aquisição do Botafogo para temporada. Ou ao youtuber Pyong Lee, descendente de coreanos e participante do Big Brother Brasil.

Ou ainda as declarações do presidente da República, destilando xenofobia e racismo sobre a jornalista Thaís Oyama, autora de um livro sobre o primeiro ano de seu governo. "Esse é o livro dessa japonesa, que eu não sei o que faz no Brasil, que faz agora contra o governo." Detalhe: ela nasceu em Mogi das Cruzes (SP).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz