Governo planeja reduzir benefícios de servidores do Executivo

O ministro Dyogo Oliveira, do Planejamento, em anúncio de novo corte no Orçamento. 
Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Do Estadão


Complementos como auxílios-alimentação, pré-escola e transporte fazem com que salários ultrapassem o teto constitucional do funcionalismo, que é de R$ 33,7 mil, e custam R$ 3,8 bilhões por ano para o governo.

Segundo uma fonte da equipe econômica, a ideia não é acabar com os auxílios, mas reduzir os valores. Na regra atual, se cumprir as regras, cada servidor tem direito a R$ 458 por mês de auxílio-alimentação, R$ 321 para ajudar a pagar pré-escola e R$ 204,19 de auxílio-transporte. A mudança afetaria só os servidores do Executivo. O Legislativo e o Judiciário gastam ainda mais com esse tipo de benefício, mas o Executivo não tem autonomia para propor esse corte de custo para outros Poderes.

O governo está revendo todas as despesas de 2017 e 2018 para encontrar possíveis pontos de economia. O objetivo principal é não ter que alterar a meta fiscal, que prevê um rombo de R$ 139 bilhões nas contas públicas este ano.

Mas a crise não tem impacto só no orçamento da União. Os gastos domésticos também têm sofrido. Tanto que os brasileiros têm acumulado menos milhas no cartão de crédito. A valorização do dólar é uma explicação para o fenômeno, já que a maioria dos programas atrela o valor dos pontos à moeda americana. Um outro efeito é a desvalorização das milhas: é preciso acumular muito mais pontos para conseguir bancar as passagens.

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Obras da PE-160 seguem em ritmo acelerado

Corpo de Guilherme Uchoa é velado na Assembleia Legislativa de PE

MORO DESOBEDECE TRF-4 E NÃO SOLTA LULA

O peso do Sertão pernambucano nas eleições de 2018