Desgastado, Bezerra tem liderança do governo ameaçada por Alcolumbre

Correio Barziliense

PF cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete 
de Fernando Bezerra Coelho na semana passada. 
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A conclusão de um inquérito da Polícia Federal complica a situação do senador Fernando Bezerra (MDB-PE) como líder do governo no Senado. As acusações da Polícia Federal, somadas a outros desgastes, tornam incerta a permanência do emedebista na liderança.

Nos últimos dias, cresceram rumores no Congresso sobre uma eventual substituição de Bezerra por outro senador. O nome mais lembrado para o cargo é o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Insider, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Acusado de ter recebido, junto com seu filho, o deputado Fernando Filho (DEM-PE), R$ 10,4 milhões em propina de três empreiteiras entre 2012 e 2014, Bezerra fez um desabafo na reunião da CPI da Covid, alegando inocência e criticando “excessos” das investigações.

A atuação do senador na defesa do presidente Jair Bolsonaro na CPI da Covid não tem agradado ao Palácio do Planalto. O Congresso em Foco Insider ouviu de fontes ligadas a Bolsonaro que há uma articulação para tentar derrubar Bezerra do cargo.

Na semana passada, o senador não participou das reuniões da CPI em que foram ouvidas as médicas Nise Yamaguchi e Luana Araújo. Nise defendeu o uso do chamado kit-covid, com remédios ineficazes contra o vírus, e Luana revelou que foi desconvidada para o cargo de secretária no Ministério da Saúde por decisão política. Ela criticou duramente o “tratamento precoce”.

O principal defensor do governo nos dois depoimentos foi o senador Marcos Rogério (DEM-RO). “É uma coisa do meu perfil. Estou sendo atacado pela militância por isso”, disse Rogério ao Insider. Outro senador observa que a CPI deixou o líder do governo em uma “saia justa” devido à sua proximidade com o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), crítico ferrenho de Bolsonaro. Segundo o parlamentar, que pediu anonimato, a liderança seria uma recompensa a Davi Alcolumbre por sua lealdade ao governo durante sua gestão.



Estudante do último semestre do curso de Jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) com dois anos de experiência em Jornalismo Político e Econômico. Foi repórter e produtora do Senado Notícias na TV Senado. Passou pela editoria de Economia do jornal Correio Braziliense. Foi finalista do prêmio MPT em 2018 pelo Correio Braziliense com a reportagem "O Desrespeito como Obstáculo".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz