Bolsonaro diz que pode reeditar decreto sobre o SUS e só revogou por reação

Em conversa com apoiadores na noite desta quarta-feira (28), presidente garantiu que "não existe privatização do SUS"

Por Brasil Econômico

Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro diz que pode reeditar decreto que abriu caminho para privatizar o SUS

O presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores na noite desta quarta-feira (28), poucas horas após recuar e revogar o decreto que abriu caminho para privatização do Sistema Único de Saúde (SUS) , que pode reeditar o decreto caso haja um entendimento melhor sobre o que o governo estuda fazer com as Unidades Básicas de Saúde (UBS), que haviam sido incluídas no projeto de concessões e privatizações do Executivo.

Leia também
Bolsonaro reclamou das críticas ao decreto, garantiu que "não existe privatização do SUS " e revelou que só decidiu por revogar a permissão para estudar a inclusão das unidades básicas de saúde no projeto de concessões porque "estava virando um monstro", referindo-se à grande reação negativa ao plano do governo.

"O pessoal falou que era privatizar, eu revoguei o decreto. Deixa. Quando tiver o entendimento do que a gente de verdade quer fazer talvez eu reedite o decreto. Enquanto isso vamos ter mais de 4 mil unidades abandonadas jogadas no lixo sem atender uma pessoa sequer", afirmou o presidente.

Editado na terça e assinado por Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes , o decreto repercutiu na quarta e teve grande rejeição, tanto nas redes sociais quanto no Congresso e entre especialistas e secretários de Saúde.

Apesar de ainda defender a medida, o presidente preferiu revogar o decreto por conta das reações, mas horas depois ele admitiu que pode reeditar o texto, que seria melhor explicado pelo governo.

Bolsonaro saiu em defesa da medida conversando com os apoiadores. Segundo ele, o decreto permitiria concluir 4 mil UBSs que hoje tem obras paradas e sofrem seu recursos para comprar equipamentos e contratar pessoal.

"Não existe privatização do SUS. Fizemos o ano passado no tocante a creches. As UBSs e UPAs são mais de 4 mil que estão inacabadas. E não tem dinheiro. Em vez de deixar deteriorar, gostaríamos de oferecer à iniciativa privada. Qualquer atendimento ali feito pela iniciativa privada seria ressarcido pela União", garantiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS