Após forte crise pelo covid, reação econômica começa a dar sinais

Dados mostram que o pesadelo econômico causado pela pandemia ficou em abril, com uma melhora da atividade desde maio. Especialistas avisam, porém, que a recuperação deve progredir lentamente nos próximos meses

Correio Braziliense

(foto: editoria de ilustração)
O fundo do poço ficou para trás

Este é o sentimento do governo e de economistas brasileiros diante dos últimos indicadores. Os dados explicam que o pior da crise causada pela pandemia do novo coronavírus ficou em abril. E que, por isso, a economia brasileira começou a reagir a partir de maio e junho. Os especialistas lembram, contudo, que a recuperação pode ter começado rápido, mas deve progredir de forma gradual nos próximos meses. Por isso, o Brasil ainda vai precisar de um bom tempo para voltar aos níveis pré-pandemia.


Ministro da Economia, Paulo Guedes foi o primeiro a avisar que a saída da crise começaria antes do que se imaginava. Logo depois, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçou, durante o Correio Talks, que os indicadores apontavam para o início de uma recuperação em V já em maio e junho. E, nos últimos dias, o mercado pôde entender o motivo desse otimismo, pois diversos dados revelaram que a economia brasileira, de fato, parou de cair e já começa a reverter algumas das perdas causadas pela quarentena.

O varejo, por exemplo, caiu 14% em março e afundou mais 17,5% em abril. Mas, em maio, avançou 19,6%, acima das expectativas do mercado. Da mesma forma, a produção industrial caiu 9,2% e 18,8% no início da pandemia, mas registrou uma recuperação de 7% em maio, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E mesmo indicadores que demoram mais a se ajustar já mostram uma queda menos intensa, vide o setor de serviços, que desabou 6,9% e 11,9%, em março e abril, mas caiu apenas 0,9%, em maio. Por isso, o Indicador de Atividade Econômica da Fundação Getulio Vargas (FGV) já aponta para uma virada no nível da economia brasileira, de -9%, em abril, para 0,5%, em maio. E o governo garante que essa recuperação continua. No mês passado, por exemplo, a média diária de notas fiscais eletrônicas subiu de R$ 20,7 bilhões para R$ 23,9 bilhões, o que sugere um crescimento de 10,3% nas vendas, segundo a Receita Federal.

“Todos os indicadores mostram que o fundo do poço parece ter ficado concentrado em abril, a menos que a pandemia exija novas medidas de distanciamento social”, comenta a economista da XP Investimentos, Lisandra Barbero. “Iniciamos um processo de recuperação. E esse processo tende a ganhar força à medida que a economia vai abrindo e as pessoas voltam a circular. Porém, ainda não podemos dizer que é um aquecimento da economia. Digamos que é um descongelamento. Porque os dados mostram uma recuperação em relação aos meses anteriores, mas ainda apresentam variações bastante negativas em relação ao mesmo período do ano passado”, pondera o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez.

O especialista explica que a recuperação começou de forma acelerada porque a base de comparação é muito baixa. Afinal, praticamente todo o país ficou de quarentena em abril e, assim, a economia quase parou. Por isso, qualquer retomada ressalta aos olhos no primeiro momento. As vendas de roupas e veículos, por exemplo, cresceram mais de 100% em maio porque praticamente não existiram em abril. Porém, seguem em patamares historicamente baixos, segundo os lojistas. Por isso, o crescimento não se sustenta na comparação anual. Prova disso é que o varejo cresceu 16,9% entre abril e maio, mas ainda amarga um resultado negativo de 14,9% em relação ao mesmo do período do ano passado.

“Esse ritmo acelerado deve ser mantido até a reabertura da economia. Com a recomposição das atividades, vai perder ímpeto e a recuperação vai ser mais gradual”, alerta Sanchez. “No primeiro momento, temos uma recuperação maior porque é a saída de um choque. Mas, depois, espera-se que a retomada seja mais paulatina, porque nós teremos muitos desafios pela frente. A crise provocou falências de empresas e muitas demissões e isso reduziu a renda da população”, confirma o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), José Ronaldo de Castro Souza Júnior. O próprio diretor de Política Econômica do Banco Central, Fábio Kanczuk, já admitiu que o V observado nesse início de retomada deve suavizar e se transformar em algo mais parecido com o símbolo da Nike, um swatch, com o passar do tempo.

Ademais, a recuperação deve ocorrer de forma desigual entre os setores econômicos. Prova disso é que, enquanto a indústria e o comércio já andam no campo positivo, os serviços seguem no vermelho. “O setor reage com certa defasagem porque depende muito do mercado de trabalho, que também demora a se ajustar. Além disso, serviços como os transportes são muito sensíveis à circulação das pessoas, então dependem da reabertura da economia”, explica a economista da XP Investimentos, Lisandra Barbero.

Cautela

Como os serviços respondem por quase 2/3 do mercado, muitos economistas declinaram da ideia de melhorar as projeções da queda do PIB do Brasil, mesmo com dados positivos, como os do varejo. “A queda deve ser maior que 10% no segundo trimestre. O que pode haver é um ajuste residual mais à frente, caso esse ritmo de recuperação persista”, pontua a economista da XP, lembrando que hoje o mercado projeta uma queda de 6,5% para o PIB de 2020.

"O buraco em que a economia brasileira entrou é muito profundo. E, ao contrário das outras crises, quando a retração foi acontecendo ao longo do tempo, a freada foi muito brusca desta vez. Então, a superação dessa crise é uma tarefa que não se esgota em um ou dois meses. É uma tarefa para, pelo menos, um ano”, aponta o economista e professor da FEA-USP, Wilson Amorim. Ele lembra que, até que todo esse processo de ajuste ocorra, quem mais deve sofrer é o trabalhador brasileiro. Afinal, o mercado de trabalho demora a responder aos ciclos econômicos.

Os especialistas acreditam que a velocidade da recuperação dependerá do que o governo fará para ampliar os investimentos, para estimular a geração de empregos e, também, para garantir a renda dos brasileiros durante esse ajuste. Há, inclusive, um receio do que vai acontecer com a demanda após o fim do auxílio emergencial. Afinal, o benefício tem ajudado 65,2 milhões de trabalhadores e tem sido praticamente a única fonte de renda de 23 milhões de lares brasileiros, segundo os dados do governo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS