Concessão de crédito cresce 75%, mas não chega na ponta, diz estudo

Apesar do estímulo ao crédito, mais empresas começaram a relatar dificuldade de acesso, enquanto menos empresas indicaram facilidades

Ana Vinhas, do R7

Concessão de crédito para empresas aumentou 75,5% em março e abril
CESAR CONVENTI/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

As concessões de crédito, no período de 16 de março a 30 de abril de 2020, somaram R$ 472,6 bilhões, incluindo contratações, renovações e suspensão de parcelas. Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), o crédito para empresas cresceu 75,5%, em relação ao mesmo período do ano passado.


No momento que o país enfrenta a crise do cronavírus e seus impactos na economia, foi registrado um total de contratações de operações de crédito de R$ 326,8 bilhões. Além disso, os bancos já renegociaram 7,4 milhões de contratos com operações em dia, que têm um saldo devedor total de R$ 425 bilhões.

Apesar dos programas do governo federal para estimular o crédito e da taxa Selic a 3%, segundo pesquisa realizada entre empresários, o dinheiro não está chegando na ponta. O Indicador de Facilidade de Acesso ao Crédito das Sondagens Empresariais, calculado pelo FGB IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), registrou perda de 31,8 pontos entre março e abril. O levantamento inclui comércio, construção, indústria de transformação e serviços.

veja também
Segundo Renata de Mello Franco, economista do FGV IBRE, essa foi a maior queda mensal da série histórica, fazendo com que o indicador atingisse 56,8 pontos, o menor valor desde junho de 2016 (55,3 pontos) e apenas 3,1 pontos acima do mínimo da série em abril de 2016 (53,7 pontos).

"Infelizmente não temos uma resposta das empresas sobre por que o crédito não está chegando. O acesso já vinha ficando mais difícil no começo do ano, mas piorou em abril e teve leve alta em maio. Quando fechar os dados de maio, será possível ver se houve realmente uma melhora", afirma Renata.

Um dos gargalos que principalmente pequenas e médias empresas têm enfrentado é a burocracia. "Aumentou a disponibilidade de crédito, mas a burocracia continua. Neste momento de crise e incertezas, os empresários não estão conseguindo fazer previsões, e isso acaba atrapalhando na hora de oferecer garantias para a obtenção do empréstimo. Houve um aumento, mas o crédito está sendo barrado em algum aspecto burocrático", explica a economista do FGV IBRE. 

Propostas negadas

Para o presidente da ANR (Associação Nacional de Restaurantes), Cristiano Melles, a questão do crédito passou a ser um grande problema no setor, uma vez que antes da pandemia muitas empresas recorriam à antecipação de recebíveis de cartão. “Muitos empresários estão relatando uma série de dificuldades nessa área, o que prejudica ainda mais o setor”, afirma.

Segundo Melles, a maioria dos bares e restaurantes que pediram empréstimo teve proposta negada. Uma pesquisa feita pela associação apontou que 85% das empresas que fizeram pedidos para instituições financeiras tiveram propostas recusadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado