Gestão Bolsonaro nomeia 31.920 servidores nos 5 primeiros meses do ano

Presidente tem maior média diária de contratações de concursados dos últimos 24 anos. Foram chamados 211 por dia entre janeiro e maio

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe têm se empenhado em reforçar o discurso de que não há recursos para a contratação de servidores e apresentado medidas para aproveitamento de profissionais a fim de evitar novos concursos. Entretanto, o número de nomeações de concursados por dia neste início de mandato é um recorde. Nos cinco primeiros meses de governo, foram providas 31.920 vagas entre efetivos e temporários que passaram por processos seletivos.

De acordo com o levantamento feito com exclusividade pela coluna Vaga Garantida, o quantitativo é o maior para o período, desde que a série histórica começou a ser divulgada, em 1995, no Painel Estatístico de Pessoal do Ministério da Economia. Por dia, nos primeiros 151 dias de governo, foram 211 contratações, garantindo a primeira colocação a Bolsonaro. Por outro lado, em média, 20 servidores tiveram suas aposentadorias concedidas diariamente, totalizando 3.141 desligamentos até maio – último mês com dados disponíveis para consulta.

A segunda e a terceira posições nesse ranking dos cinco primeiros meses de mandato são ocupadas pela ex-presidente Dilma Rousseff. Ela reforçou o início do seu segundo mandato, em 2015, com 207 profissionais por dia. Quatro anos antes, havia nomeado a média de 150. A petista está na frente do ex-presidente Lula, que admitiu 109 e 93 pessoas, diariamente, entre janeiro e maio de 2007 e de 2003, respectivamente.

Confira no quadro:


Ainda fazem parte da lista, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que esteve à frente do Palácio do Planalto de 1995 a 2002 e proveu 106 postos por dia no primeiro mandato (6º lugar), e 50 no segundo governo (8º lugar); e Michel Temer, com 82 novos servidores a cada dia (7º lugar).

Saúde e Educação no topo

As maiores concentrações de pessoal de Bolsonaro estão nos ministérios da Saúde e da Educação. Só o programa Mais Médicos garantiu a convocação de 10.142 profissionais em março, enquanto outros 1.247 foram destinados a outras funções.

O número ainda pode aumentar na pasta do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, com a exigência da Justiça de nomear 807 aprovados na seleção realizada em 2009. A decisão foi publicada no início do ano passado, determinando o prazo de seis meses para seu cumprimento. A multa estipulada supera os R$ 5 milhões, tendo em vista que o prazo final terminou em 31 de dezembro de 2018 e nenhum movimento foi realizado, segundo a comissão de aprovados.

Outra determinação da ação movida pelo Ministério Público e acatada pelo juiz Maurício Magalhães Lamha, do Tribunal Regional Federal da 2º Região, foi a fixação do prazo de apresentação do cronograma para um novo concurso, com 1.338 vagas, até 3 de dezembro, o que também não ocorreu. O descumprimento previa o pagamento de R$ 2 milhões em multa. Apenas de janeiro a maio, 719 pessoas se aposentaram no Ministério da Saúde.

Os centros federais de ensino preencheram 100 postos. Os institutos federais tiveram reforço de 2.948 funcionários. As universidades federais e suas fundações contabilizaram 12.548 nomeações em todo o país. Para completar a conta do MEC, foram destinadas 149 vagas ao Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, e 285 vagas a hospitais universitários.

Aliás, nos últimos cinco meses, quando a suspensão de concursos passou a ser pauta constante no discurso do governo sobre corte de gastos, as universidades, os centros federais de ensino e os institutos federais de ensino foram os únicos que preservaram o calendário de seleções e nomeações. Situação que se manteve apesar do anúncio polêmico de congelamento de gastos na ordem de R$ 1,7 bilhão nas instituições, que não atingiu os salários de professores e técnicos administrativos.
IBGE e Meio Ambiente

O início dos trabalhos para o Censo 2020 no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) chamou 2.316 concursados. O volume vai aumentar consideravelmente nos próximos meses, com a iminência da seleção para 400 vagas efetivas e 234 mil temporárias. Parte desse efetivo será incorporado no orçamento até dezembro e o restante em 2010.

Os órgãos do Meio Ambiente também foram contemplados, apesar do grande déficit existente. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) preencheram 178 e 224 cargos, respectivamente.

O próprio Ministério da Economia incorporou mais recurso humano com 352 nomeações, quantia que mal repõe as 326 aposentadorias no mesmo período. A pasta da Cidadania recebeu 299 concursados, na Agricultura foram 323 profissionais e na Justiça, 122. E no Ministério das Relações Exteriores, apenas os 26 diplomatas da turma formada em maio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉDICOS CUBANOS GANHAM DESPEDIDA, NA SEDE DA UESCC, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE