Temer decide conceder reajuste de 16,38% a ministros do STF

O governo afirma que o país não consegue fechar as contas e, por isso, é preciso cortar programas sociais, aposentadorias, bolsas de pesquisa. Mas o presidente Michel Temer acaba de fechar acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF) para conceder reajuste de 16,38% para o Judiciário. Em troca, há a promessa do fim do auxílio-moradia para a magistratura federal, no valor de R$ 4,7 mil.

Carlos Moura/SCO/STF

Num país em que 50% da população não recebe um salário mínimo, fixado hoje em R$954, os rendimentos dos ministros do Supremo passarão de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

Para reduzir o desgaste com o funcionalismo de aumentar apenas os salários dos ministros do STF, Temer também desistiu de encaminhar ao Congresso uma proposta para adiar o reajuste salarial dos servidores públicos de 2019 para 2020. 

Para fazer valer o aumento dos magistrados, o governo vai ter de fazer uma alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias, que não previa o reajuste salarial do STF. O custo extra no Poder Judiciário será de R$ 930 milhões. Segundo técnico da Câmara, o auxílio-moradia consome R$ 530 milhões. Ou seja, mesmo com o fim do benefício, não será possível compensar o reajuste.

E, como o salário de ministro do Supremo é o teto do funcionalismo e serve de base para outras categorias, o aumento do Judiciário deverá gerar um efeito-cascata nos salários de servidores federais, estaduais e municipais. 

Consultorias de Orçamento da Câmara e do Senado chegaram a estimar que o reajuste acarretaria um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas, uma conta a ser dividida entre os poderes da União e dos Estados.

A negociação sobre o fim do auxílio moradia entra para tentar cobrir parte desse rombo. De acordo com a Folha de S. Paulo, os ministros do STF Dias Toffoli e Luiz Fux negociaram diretamente com Temer como ser conduzido todo o processo. A ideia é que, quando o Senado aprovar o reajuste, o fim do auxílio-moradia seja posto em discussão no plenário do STF, algo que só ocorreria depois da eleição.

A tendência é de que a maioria do Supremo se pronuncie favoravelmente ao fim do benefício para juízes que recebem o auxílio mesmo trabalhando na mesma cidade em que moram. Mas o benefício deve ser mantido em casos onde há difícil provimento de juízes. 

Para reduzir o desgaste com o funcionalismo de aumentar apenas os salários dos ministros do STF, Temer também desistiu de encaminhar ao Congresso uma proposta para adiar o reajuste salarial dos servidores públicos de 2019 para 2020. 

Do Portal Vermelho, com agências

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉDICOS CUBANOS GANHAM DESPEDIDA, NA SEDE DA UESCC, EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE