Senadores reagem a pedido de Bolsonaro contra ministros do STF: “Vai trabalhar!”

Congresso em Foco
Marcos Oliveira/Agência Senado
Alexandre Porto Mendes de Souza e Fábio Rogério de Almeida Carvalho tiveram os nomes confirmados para diretores da Agência.

Os senadores reagiram a decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro, de apresentar um pedido à Casa para que instaure um processo de impeachment contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso. Em uma rede social, Bolsonaro citou os artigos 5 e 52 da Constituição defendendo que os magistrados "extrapolaram os limites". Barroso também é ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com Bolsonaro, os pedidos de impeachment serão levados ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), na próxima semana. Esta é uma das reações do Planalto que pode favorecer rachaduras entre os Três Poderes. O presidente Bolsonaro toma a decisão após o ministro Alexandre de Moraes autorizar a prisão do ex-deputado e seu aliado Roberto Jefferson, no inquérito das milícias digitais.

A maior parte das reações partiu de senadores membros da CPI da Covid. Para o senador Alessandro Veira (Cidadania-SE), a manifestação do presidente Bolsonaro é uma "cortina de fumaça para tentar esconder o mar de crimes comuns e de responsabilidade que o próprio presidente cometeu".

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, por exemplo, cobrou que o presidente trabalhasse no sentido de combater as desigualdades sociais e minimizar a crise econômica. "Ao invés de arroubos autoritários, que serão repelidos pela democracia, vá pegar no serviço! Estamos com 14 milhões de desempregados, 19 milhões de famintos, preço absurdo da gasolina, da comida", escreveu o parlamentar.


Confira a reação de outros senadores:

> Filha de Roberto Jefferson solta indireta para Bolsonaro: “cadê o acabou porra”? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado