Fábio Mafra substituirá auditor do TCU responsável por “estudo paralelo” sobre mortes pela covid

FOTO: BARBARA CABRAL/ESP.CB/D.A

Correio Braziliense

O Tribunal de Contas da União (TCU) designou o servidor Fábio Mafra para substituir o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, autor do “estudo paralelo” que questiona o número de vítimas da covid-19. Segundo ele, o total de mortes é 50% menor do que o divulgado oficialmente pelos estados.

Sem qualquer respaldo técnico, Alexandre diz que os governadores inflaram os números de óbitos pela covid-19 a fim de receberem mais recursos do governo federal. O “estudo paralelo” foi citado pelo presidente Jair Bolsonaro, que, depois, teve de recuar diante da negativa do TCU, que disse desconhecer a tese falsa.

Com o afastamento de Alexandre, Fábio Mafra, considerado um dos melhores auditores do TCU, supervisionará todos os trabalhos da secretaria que acompanha o uso de verbas públicas para a compra de equipamentos de combate à covid-19.

Filhos de Bolsonaro

O auditor afastado é ligado aos filhos de Bolsonaro e ao presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, que o convidou para ocupar uma diretoria na instituição. A cessão para o BNDES, contudo, foi vetada pelo então presidente do TCU, José Múcio Monteiro.

Segundo o ministro Bruno Dantas, corregedor do TCU, “os fatos até aqui apurados pela Corregedoria são graves e exigirá aprofundamento para avaliar a sua real dimensão”. Ele acrescenta, ainda, que, “para isso é necessária uma decisão da presidente do TCU, ministra Ana Arraes”.

O ministro acrescenta: “Ainda é cedo para extrair conclusões, mas se ficar comprovado que o auditor utilizou o cargo para induzir uma linha de fiscalização orientada por convicções políticas, isso será punido exemplarmente”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz