''Graças a Deus ficamos livres dele'', diz Bolsonaro sobre Moro

Segundo o presidente, o ex-ministro da Justiça está ''perfeitamente alinhado com outra ideologia''

IS Ingrid Soares

(foto: Evaristo Sá/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro criticou, na manhã desta segunda-feira (1º/6), o ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro. Falando sobre a questão armamentista, o chefe do Executivo federal disse que ele sempre esteve alinhado com a esquerda.

A fala foi feita após um apoiador agradecer ao presidente pela derrubada da Instrução Normativa (IN) 131. "Para vocês entenderem quem estava do meu lado. Essa IN 131 é da Polícia Federal, mas por determinação do Moro. Ele, com instruções normativas, ignorou decretos meus, ignorou a lei para dificultar a posse de arma de fogo para as pessoas de bem", afirmou.

E completou dizendo que Moro era a favor de criar uma portaria que fixava multas para a população que estivesse nas ruas, desobedecendo as medidas de saúde impostas como prevenção ao coronavírus. "Assim como essa IN, tem uma portaria também que o ministro novo revogou que, apesar de ter força de lei, ela orientava a prisão de civis. Por isso que, naquela reunião secreta, o Moro ficou calado de forma covarde", disse.

"É isso que estava acontecendo. E ele queria ainda uma portaria depois que multasse quem estivesse na rua... Perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa. Graças a Deus ficamos livres dele", alfinetou.

Ao deixar o governo, Moro acusou o presidente de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal. Após a saída do ex-ministro da Justiça, Bolsonaro trocou o diretor chefe da PF, que, por sua vez, determinou trocas nas superintendências. O caso é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Posse de arma

Bolsonaro também voltou a defender a flexibilização de posse de armas legal. "Uma arma legal não é para cometer crimes, mas para evitar crimes. Por que a vagabundagem que sempre é defendida pela mídia tem arma ilegal. Tanto que a campanha do desarmamento nunca foi para cima de quem tinha arma ilegal, mas para cima do cidadão de bem. E o que eu disse, naquela reunião reservada, que foi classificada como secreta, não falei que o povo armado jamais será escravizado? O povo armado de forma legal", concluiu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz