"Economia está começando a colapsar. Não queremos virar a Venezuela", diz Guedes

Em encontro com Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro e chefe do Executivo defenderam reabertura da economia

Por Brasil Econômico 

Alan Santos/PR
Guedes disse que a economia brasileira está começando a colapsar e que
 "não queremos virar a Venezuela e nem a Argentina"

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (7), em reunião no Supremo Tribunal Federal com o presidente da República, Jair Bolsonaro, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, empresários e outros ministros, que a economia brasileira está começando a colapsar.


Guedes defendeu a importância das providências já tomadas pelo governo, como o auxílio emergencial de R$ 600 e a medida que permite redução de jornada e salário, garantindo estabilidade ao trabalhador e evitando demissões em massa. Segundo o ministro, mais de 5 milhões de empregos já foram "preservados".

"Nós conseguimos, através de várias medidas, preservar vidas, mas também preservar empregos . Enquanto lá fora temos notícias que os EUA demitiram, preservamos mais de cinco milhões de empregos. Lançamos o programa de auxílio emergencial para preservar os sinais vitais da economia. Ainda está funcionado por essa proteção", afirmou Guedes. Porém, o ministro pontuou que esse "fôlego" pode estar chegando ao fim.

"A informação que nós tivemos é que, embora tenhamos lançado dois ou três meses de proteção, talvez os sinais vitais não sustentem por tanto tempo. Talvez vamos ter um colapso antes. Quando a indústria nos passou esse quadro, estamos sempre em contato, sempre disseram que conseguiram preservar os sinais vitais. Mas agora nos disseram que está difícil. A economia está começando a colapsar. Não queremos virar a Venezuela e nem a Argentina", disse Guedes.

Bolsonaro voltou a criticar governadores e prefeitos no encontro e disse, sem dar exemplos, que "alguns estados foram um pouco longe nas medidas restritivas". O presidenta afirmou ainda que a liberdade vale mais que a vida , ao defender a flexibilização dos serviços.

"As consequências estão batendo à porta de todos. Autônomos perderam ou tiveram a renda reduzida. Quem tem carteira assinada, está batendo na casa de 10 milhões de desempregados. Este número tende a crescer. Por isso, esse grupo de empresários nos trouxe essa preocupação", relatou o presidente ao construir sua narrativa em defesa da reabertura da economia.

"Queremos colocar o Brasil no lugar que merece no mundo. Não podemos perder a liberdade no Brasil. Não podemos, mais cedo ou mais tarde, assistir saques, manifestações populares em situações sequer próximas a essa. As medidas tomadas é o que está mantendo a população em um equilíbrio de razão acima de emoção. Todos nós com o mesmo propósito, o mesmo ideal. Preocupados com a vida, mas a questão do emprego, da economia, isso também é vida", bradou Bolsonaro.

Segundo representantes da indústria presentes, a ideia é flexibilizar as restrições no setor com a promessa de adoção de todo o protocolo de prevenção à disseminação do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Toffoli disse que já tem conversado com Bolsonaro para que haja "planejamento organizado" para a retomada das atividades econômicas no Brasil em breve, apesar do aumento do número de casos confirmados e mortes por Covid-19 nos últimos dias. Até esta quarta-feira (6), eram 125.218 casos confirmados e 8.536 mortes no País, sendo 615 mortes em 24 horas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado