Mandetta diz que fica no cargo e pede ‘paz’ para trabalhar

Sem citar Bolsonaro, ministro da Saúde diz que críticas trazem dificuldade no ambiente de trabalho

Julia Lindner e Rafael Moraes Moura., O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou na noite desta segunda-feira, 6, que permanece no cargo, reiterou que “médico não abandona paciente” e, sem citar diretamente o presidente Jair Bolsonaro, reclamou de críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho à frente da pasta.

Mandetta acumulou uma série de desgastes com o presidente Bolsonaro ao defender um amplo distanciamento social da população como enfrentamento do novo coronavírus. O ministro, aplaudido pela equipe do ministério ao chegar para a declaração feita à imprensa, se colocou como “dono das dúvidas”, e não da verdade. 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é aplaudido 
por equipe ao chegar em entrevista coletiva 
Foto: Adriano Machado/Reuters

O ministro observou que a crítica construtiva “enobrece” e nos faz dar passos à frente. “O que temos dificuldade é quando em determinadas situações, ou determinadas impressões, as críticas não vêm no sentido de construir, mas para trazer dificuldade no ambiente de trabalho. Isso tem sido uma constante. Vamos continuar, continuando a gente vai enfrentar nosso inimigo. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar”, reiterou, em um recado a Bolsonaro.

“Eu não vou abandonar, agora as condições de trabalho dos médicos precisam ser para todos. A única coisa que pedimos é o melhor ambiente para trabalhar. Começamos a semana com mais um solavanco, esperamos que possamos seguir em paz”, disse. 

Mandetta destacou que, desde que chefiou o Ministério da Saúde, trabalha com uma equipe técnica, da qual é “apenas o porta-voz”. Afirmou que a pasta é fruto “de históricos e da melhor equipe técnica que eu sonhei em trabalhar”

“É muito difícil nesse sistema onde a gente não sabe ao certo como vai ser o próximo dia, a próxima semana. A gente não sabe se o comportamento da doença vai ser como nos outros países”, ressaltou Mandetta.

Mandetta e Bolsonaro divergiam sobre estratégias de isolamento da população contra o novo coronavírus. O ministro defendia uma ação mais ampla, para evitar aglomerações e estimular redução de fluxo urbano, com medidas como trabalho em home office e fechamento do comércio em locais com grande número de casos. Já Bolsonaro defende um “isolamento vertical”, em que sejam afastadas pessoas acima de 60 anos ou que apresentem outras doenças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS