Dólar fecha cotado a R$ 5,19; Bolsa tem queda superior a 13%

Moeda chegou a alcançar a marca dos R$ 5,25 ao longo do dia; negociações na B3 precisaram ser suspensas nesta quarta após índice cair mais de 10%

Redação, O Estado de S.Paulo

O dólar à vista fechou nesta quarta-feira, 18, cotado a R$ 5,1960, uma alta de 3,74%. Após acumular perdas de 10,26%, a Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, acionou o sexto 'circuit breaker' do mês e parou as negociações por 30 minutos. Após a pausa, os negócios foram reabertos com queda de 10,56%, aos 66.736,61 pontos. Às 16h42, a bolsa caia 13,30%, aos 64.696,54.

Na abertura das negociações desta quarta-feira, 18, o dólar iniciou a cotação em R$ 5,16, um avanço superior a 3% em relação ao fechamento do dia anterior, estabelecendo novo recorde nominal - quando descontada a inflação. Ao longo do dia, o valor disparou ainda mais e ele chegou a bater na casa dos R$ 5,2575. 

Dólar Foto: Reuters

"O mercado externo está muito ruim, o mercado local também. O coronavírus pegou", disse o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagen sobre a alta da moeda americana. Até agora, o dólar já possui uma valorização superior a 20% neste ano de 2020.

A moeda americana têm se valorizado fortemente frente ao real nas últimas semanas. Na quinta-feira passada, dia 12, ultrapassou pela primeira vez a marca de R$ 5, e, na segunda-feira, 16, fechou, de maneira inédita, acima dos R$ 5 - e desde então tem sustentado esse novo patamar. Este novo cenário de desvalorização da moeda brasileira segue a instabilidade dos mercados internacionais por conta da disseminação do novo coronavírus, causador da Covid-19. 

Para tentar conter tudo isso, o Banco Central já vendeu US$ 830 milhões das reservas internacionais em dois leilões. A autoridade monetária também vendeu outros US$ 2 bilhões em leilão de linha. Essa operação não afeta o volume de reservas porque há compromisso de recompra. 

Com os resultado desta quarta-feira, 18, o Banco Central já injetou US$ 20,075 bilhões em recursos novos no mercado do câmbio apenas em março. Na semana passada, o BC já havia vendido US$ 7,245 bilhões à vista aos agentes financeiros. Intercalado às vendas de dólares à vista, a autoridade monetária negociou outros US$ 6 bilhões neste mês em novas operações de swap cambial (que equivalem à venda da moeda no mercado futuro). O BC ainda vendeu mais US$ 6 bilhões de recursos novos em leilões de linha com recompra, incluindo US$ 2 bilhões negociados na manhã desta quarta-feira. 

'Circuit breaker'

Às 12h23, a moeda americana tinha um leve recuo em relação à disparada que teve nos primeiros momentos de negociação, ficando cotada a R$ 5,0810, um aumento de 1,44%. Nas casas de câmbio, de acordo com levantamento do Estadão/Broadcast, o dólar turismo chegou a ser negociado a R$ 5,40, variando entre R$ 5,30 e R$ 5,40. No mesmo horário, a máxima do dólar turismo era de R$ 5,33. 

Já o Ibovespa abriu as negociações do dia com forte queda, superior a 8%, perdendo o patamar de 70 mil pontos. Ao longo da manhã, o índice reduziu o ritmo de perdas, estabilizando a queda em 6%. Porém, no início da tarde, as perdas voltaram a se intensificar. Às 12h21, o Ibovespa caia 9,11%, aos 67.816,95 pontos. Até que por volta das 13h20, atingiu 10,26% de recuo, marcando 66.961,15 pontos e forçando o acionamento do 'circuit breaker'.

No momento da paralisação das negociações, a Petrobrás ON cedia 14,60% e Petrobrás PN, 13%. A mineradora Vale recuava 8,46%. As empresas aéreas Azul PN e Gol PN tinham recuo de 32,63% e 20,44%, respectivamente. 

Isso tem se repetido bastante, inclusive, na Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, com o Ibovespa, principal índice do mercado nacional. Para se ter uma ideia, o sistema de "circuit breaker", que paralisa as negociações no mercado, já foi utilizado, apenas neste mês, cinco vezes. 

Apenas na semana passada, foram quatro momentos de pausa. Uma na segunda-feira, 9, uma vez na quarta-feira, 11, e duas na quinta-feira, 12. Terça-feira, 10, e sexta-feira, 13, foram dias de recuperação nos mercados mundiais. A última que o sistema foi acionado foi na segunda-feira, 16, quando as negociações sofreram uma pausa de 30 minutos após perdas de 12,53%. Neste mês, a Bolsa de Valores já se desvalorizou 35,72% e, no ano, 42,10%.

Contexto local

O mercado deve ficar à espera do detalhamento do pedido de calamidade pública no País, em entrevista coletiva do ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe às 11 horas. Além disso, estão previstas duas coletivas com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da questão do coronavírus: a primeira, com os ministros do governo (14h30) e, a segunda, com chefes dos demais poderes (20h30).

Há previsto para o início da noite desta quarta-feira corte da Selic, a taxa básica de juro do País, pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). em resposta ao novo coronavírus. Além disso, há expectativa de um leilão de linha de até US$ 2 bilhões às 9h30. Porém, essa atitude do Banco Central deve ser insuficiente para acalmar o mercado de câmbio. O dólar já sobe no exterior e as expectativas sobre a economia brasileira pioram. O UBS cortou a projeção de crescimento do Brasil em 2020 de 1,3% para 0,5% em meio à tensão renovada com a pandemia de coronavírus. Há, até mesmo, previsão de PIB negativo para este ano

Contexto mundial

Por conta da pandemia que assola o mundo inteiro neste ano, as Bolsas de Ásia, Europa e Américas têm sofrido com efeito "sobe e desce", ou seja, enquanto em um dia cai de maneira abrupta, no outro, recupera-se do tombo. Nesta quarta, Europa e Ásia têm queda generalizada.

O pânico dos mercados em torno da pandemia de coronavírus também levou as cotações de petróleo a mais um dia de tombo. Em Nova York, o petróleo do tipo WTI para maio fechou em queda de US$ 6,50, a US$ 20,98 o barril, menor valor desde abril de 1999. Já em Londres, o petróleo tipo Brent caiu US$ 3,91, a US$ 24,88 o barril, cotação mais baixa desde janeiro de 2002, de acordo com dados do Estadão/Broadcast./ SILVANA ROCHA, EDUARDO RODRIGUES, EDUARDO GAYER, ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, ANDRE VIEIRA E FELIPE SIQUEIRA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS