Bolsonaro volta a criticar metodologia do IBGE

Para presidente, índice de desemprego ‘não mede a realidade’ e ‘engana’ a população

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nessa segunda-feira, 1°, a metodologia empregada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, para medir o desemprego no País. Em entrevista à RecordTV, o presidente afirmou que a forma de se verificar a desocupação no Brasil não corresponde à realidade.

Presidente da República, Jair Bolsonaro Foto: Alan Santos/PR

"Com todo respeito ao IBGE, essa metodologia, em que pese ser aplicada em outros países, não é a mais correta. (...) Tenho dito aqui, fui muito criticado, volto a repetir, não interessam as críticas. Tem de falar a verdade", afirmou.

"Como é feita hoje em dia a taxa? Leva-se em conta quem está procurando emprego. Quem não procura emprego, não está desempregado. (...) Então, quando há uma pequena melhora, essas pessoas que não estavam procurando emprego, procuram, e, quando procuram e não acham, aumenta a taxa de desemprego. É uma coisa que não mede a realidade. Parecem índices que são feitos para enganar a população."

Segundo o presidente, "é fácil ter a metodologia precisa no tocante à taxa de desemprego. É você ver dados bancários, dados junto à Secretaria de Trabalho, quantos empregos geramos a mais ou a menos no mês", reforçou.

Na última sexta-feira, o IBGE divulgou que a taxa de desemprego no Brasil subiu para 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 13,1 milhões de pessoas. De acordo com o instituto, a alta representa a entrada de 892 mil pessoas na população desocupada.

O total da população subutilizada – grupo que inclui desocupados, quem trabalha menos de 40 horas semanais e os disponíveis para trabalhar, mas que não conseguem procurar emprego – é recorde (27,9 milhões) e o número de 4,9 milhões de desalentados, aqueles que desistiram de procurar emprego, também é o maior da série.

Na própria sexta-feira, 29, Bolsonaro já havia tuitado sobre o melhor saldo para fevereiro de empregos com carteira assinada, medido pelo Caged, dos últimos cinco anos. "Já o levantamento trimestral divulgado pelo IBGE parte de dezembro de 2018, período no qual é comum o saldo negativo", escreveu o presidente.

"Para comparar, em relação a fevereiro do ano passado, o saldo de novos empregos foi quase três vezes maior", destacou em outro tuíte na sexta-feira, ainda sobre o Caged.

Crítica antiga

Em outubro do ano passado, Bolsonaro já havia classificado a metodologia de cálculo de desemprego do IBGE como "farsa". À época, na condição de presidente eleito, ele disse à TV Bandeirantes que pretendia mudar a metodologia da entidade para calcular a taxa de desemprego porque os beneficiários do Bolsa Família são contabilizados como empregados. Como resposta, o IBGE divulgou nota oficial na qual afirmava que o levantamento segue padrões internacionais. O instituto também esclareceu informações incorretas de Bolsonaro, uma vez que beneficiários do Bolsa Família não são considerados empregados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara