Bolsonaro erra ao dizer, na TV, que "mais pobres" pagarão menos com reforma

Do Blog do Sakamoto


Em seu pronunciamento em cadeia nacional, na noite desta quarta (24), o presidente Jair Bolsonaro celebrou a aprovação do projeto da Reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados – apenas o primeiro passo do trâmite pelo Congresso Nacional. Dizendo “contar com espírito patriótico dos parlamentares”, ele destacou que ela irá “reduzir a desigualdade social” porque “os mais pobres pagarão menos”.

A despeito da proposta trazer, acertadamente, uma alíquota progressiva de contribuição, em que os assalariados que ganham menos pagarão menos e os que ganham mais desembolsarão mais, os “mais pobres” não pagarão menos necessariamente.

Pelo contrário, parte daqueles que estão entre os mais pobres – produtores rurais, pescadores artesanais, extrativistas, os seja trabalhadores da economia familiar rural – contam com uma aposentadoria especial: precisam comprovar 15 anos de trabalho no campo para pleitearem um salário mínimo mensal, além de uma idade mínima de 60 anos (homens) e 55 (mulheres).

A lei prevê recolhimento de imposto previdenciário no momento da comercialização de sua produção, o que nem sempre acontece. O mais importante, contudo, é comprovar o tempo de trabalho no campo, não a contribuição.

A Reforma da Previdência de Bolsonaro dificulta as exigências para que esse grupo social se aposente. O tempo de trabalho vai a 20 anos. A idade da mulher se equipara à do homem, aos 60. E, o mais relevante: se o valor de imposto arrecadado no momento da venda dos produtos não atingir um patamar mínimo, o núcleo familiar terá que completar uma cota até chegar a uma contribuição anual de R$ 600,00.

A atividade rural está exposta a uma série de fatores como sol, chuva, clima, ataque de pragas, variação do preço do produto – que, às vezes, não paga nem o custo da produção. Por isso, ao final de um ano, a renda líquida é, não raro, insuficiente até para a sobrevivência, sendo necessário suporte de programas como o Bolsa Família.

Ou seja, hoje ele não precisa pagar. Com a proposta de Bolsonaro, pagará o equivalente a R$ 50,00 por mês e corre o risco desse trabalhador não poder se aposentar. Definitivamente, isso não significa “pagar menos”.

Há propostas que dificultam a aposentadoria dos funcionários públicos, principalmente daqueles que recebem mais. Contudo, a Reforma da Previdência também traz um pacote de “maldades” com os mais pobres a tal ponto que o presidente não deveria dizer que ele reduz a “desigualdade social”.

Primeiro, há a mudança na concessão do Benefício de Prestação Continuada – em que idosos em situação de miséria passariam a receber um salário mínimo apenas aos 70 anos e não mais aos 65, como é hoje, começando a receber R$ 400,00 dos 60 aos 69. Vale lembrar que idosos pobres conseguem fazer bicos com mais facilidade aos 64 do que aos 69, além do seu custo de sobrevivência ser exponencialmente maior à medida em que envelhece nessa faixa etária.

A maioria dos partidos no Congresso Nacional prometeu barrar esses dois pontos. Mas representantes do governo seguem reafirmando a importância de mantê-los.

E temos outras situações que devem dificultar a vida dos mais pobres. O aumento no tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos vai afetar a classe média baixa e baixa, que passam longos períodos da vida em trabalhos informais, que já se aposentam por idade e mal conseguem contribuir as 180 parcelas mensais, imagine 240.

E, o pior: com 20 anos, a aposentadoria não será de 90% da média salarial, como é hoje para duas décadas de contribuição, mas apenas 60%.

O fim do abono salarial para quem ganha entre um e dois salários mínimos vai impactar milhões.

A alteração no recebimento de pensões, que podem deixar de ter o valor integral da aposentadoria, abre a brecha para órfãos e viúvas ganharem apenas 60% de um salário mínimo por mês.

Isso sem falar na previsão da introdução do sistema de capitalização com contas individuais. Mal detalhada pelo governo, pode abrir caminho para a redução dos rendimentos dos aposentados, fazendo com que os “pobres” entrem na categoria “mais pobres”.

A Previdência precisa ser discutida e aprimorada para uma nova realidade etária e a redução de desigualdades.

Mas se o presidente quer usar um discurso mais alinhado com a realidade deveria retirar esses pontos de sua proposta. Caso contrário, parece que ele ou ela estão mentindo.

(Blog do Sakamoto)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara