Produtos e serviços para as mulheres chegam a ser até 60% mais caros

ZILDA Costa, 41, administradora, escolhe alguns
produtos não pela cor, mas pelo preço, como é o
caso do desodorante (Foto: Tatiana Fortes)
O POVO

A cor rosa que se destaca entre os rótulos nas prateleiras tem preço maior. Ocorre que a distinção mercadológica de gênero, em alguns casos, eleva o valor do produto mesmo quando não há pressão no custo. O POVO pesquisou e observou oscilação de 2,25% a 60% para igual mercadoria ou serviço, mas de cor ou gênero diferente. O fenômeno se chama pink tax ou imposto rosa.

O questionamento que se levanta é por qual motivo artigos apenas de cores diferentes, mas, com mesma função, design e ergonomia encarecem. Dentre os campeões na lista do pink tax estão lâminas de barbear, preservativos e roupas como camisas e calças jeans.

Catherine Jereissate, vice-presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE), conselheira do Procon e professora do Centro Universitário Christus, defende que não há justificativa. "O mercado usa uma fórmula para induzir o desejo sobre a razão e estimula a compra. Mas não há amparo jurídico para que os produtos femininos sejam mais caros", diz, acrescentando que não é a cor que dará a usabilidade.

Se a cliente observar que há mercadorias iguais e com valores distintos, ela tem direito de pagar pelo mais barato. Pondera que é preciso verificar as especificidades. "O artigo 39 do Código de Defesa do consumidor fala que não se pode alterar o preço sem apresentar uma causa específica".

Segundo estudo do departamento de Consumer Affairs (DCA), de 2016, cinco itens tendem a apresentar discrepância no preço. A média do acréscimo é de 13% para produtos de higiene pessoal, seguido de 8% para roupas infantis e para adultos, e 7% para brinquedos e acessórios.

A realidade não é muito diferente no Brasil. Ontem, em Fortaleza, O POVO encontrou quatro lâminas de barbear rosa por R$ 24,49, enquanto verde custava R$ 23,95. O corte de cabelo era mais da metade do valor para mulheres. Uma unidade de preservativo feminino chegava a ser 12,51% mais cara do que três do produto masculino.

A administradora Zilda Costa, 41, escolheu cosméticos com rótulos que aplicavam o conceito pink tax enquanto fazia as compras ontem, na Cidade dos Funcionários. A decisão, no entanto, foi motivada por promoção. "Eu gosto desse produto e compro sempre, inclusive os que têm outras cores, mas isso não é algo que me atraia. Preocupo-me com o preço".

Darla Lopes, diretora do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (IBEF), lembra a mulher ainda não tem as mesmas condições no mercado de trabalho. Nesse contexto, o imposto rosa tem impacto no orçamento feminino, somado ao fato de que muitas delas ainda ganham menos que os homens. Para Darla, é necessário que as consumidoras forcem a queda da demanda destes produtos e pesquisem as marcas que se posicionem contra a iniciativa.


BRUNA DAMASCENO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara