Um Voto pela Democracia, por João Campos*


*Engenheiro civil e deputado federal eleito pelo PSB-PE

Eu te entendo. Entendo as suas angústias, frustrações e decepções. Entendo o sentimento de descrença num país que, por muito tempo, foi motivo de orgulho. Eu entendo a desesperança nos políticos e na política. E até entendo quando se diz que nada no Brasil está certo e que apenas uma mudança radical pode solucionar os nossos problemas. Mas, permita-me discordar.

Precisamos olhar para trás e enxergar além dos erros. Somos uma democracia jovem, construída a várias mãos por diferentes correntes ideológicas. Derrotamos o fantasma da hiperinflação, avançamos nas conquistas sociais e enfrentamos crises nacionais e internacionais sem precisar abrir mão de nenhum fundamento do nosso Estado democrático de direito, marcado no primeiro artigo da nossa constituição: a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político.

Evoluímos muito na política também, fortalecemos a participação popular e os órgãos de controle, criamos a lei de responsabilidade fiscal, a lei da ficha limpa e a lei anticorrupção, e tantos outros mecanismos que verdadeiramente combatem a corrupção e o mau uso do dinheiro público. Diversificamos os canais de diálogo com a população, nossos representantes estão vindo dos mais diversos segmentos. E, mais do que nunca, precisamos ter maturidade para entender o que nos trouxe até aqui. Não foram discursos demagógicos ou salvadores da pátria, não foram homens ou mulheres perfeitas, mas sim a democracia e o fortalecimento das instituições democráticas.

Quantos anos de luta pelo reconhecimento do Nordeste, pela força do nosso povo? Há quantos anos o mundo luta pela igualdade de gênero? Quantas barreiras tivemos que superar no combate a todas as formas de preconceito? São passos lentos, talvez, mas sempre avante como a construção de um castelo de cartas. O risco é que, pela avidez de mudança, com um breve toque, tudo desmorone.

“Vamos fuzilar a petralhada do Acre” ou “eu sou favorável à tortura” são não somente frases infelizes, mas afrontas aos fundamentos do nosso país. Como acreditar que o “outsider” que vai solucionar nossos problemas é um deputado federal com 28 anos de mandato que quase nada fez para melhorar nosso país? Como esse mesmo parlamentar, que nunca apresentou sequer uma proposta de lei visando combater a corrupção ou melhorar a qualidade do gasto público, diz ser a fórmula mágica para acabar com a corrupção e os privilégios?

Agora, sei que não falo apenas por mim, mas carrego comigo a responsabilidade de quase meio milhão de pernambucanos que confiaram em mim para representá-los no Congresso Nacional. Carrego comigo também o compromisso com a história de homens como Miguel Arraes e Eduardo Campos. E reconheço que tenho divergências com o Partido dos Trabalhadores, como tiveram Arraes e Eduardo antes de mim. Um partido cujo, talvez, o maior erro tenha sido, por vezes, não reconhecer que cometeu erros. Mas agora o que está em jogo não são as nossas divergências. O que está em jogo é o Brasil que sonhamos: “No dia em que o filho do pobre e do rico, do político e do cidadão, do empresário e do trabalhador estudarem na mesma escola, nesse dia o Brasil será o país que queremos”, como defendia o meu pai, Eduardo Campos.

Não vejo outro caminho para chegarmos a esse Brasil, senão o da democracia, o da luta contra as desigualdades, o caminho de Fernando Haddad. Penso que, se o eleitor brasileiro observar os dois candidatos, verá qual dos dois aponta para o país que queremos construir. Qual dos dois tem perfil para unir e pacificar o Brasil? Quem entre eles tem condições de liderar um período de paz e de busca do entendimento, sem intolerâncias e radicalismos? Qual dos dois, por experiência, formação e vocação tem mais condições de recolocar a economia brasileira em movimento ascendente, para que voltemos a gerar emprego e renda, saindo dessa crise que já se prolonga há tanto tempo?

Confio no ministro do ProUni, da interiorização das universidades, do avanço do ensino técnico. Confio naqueles que tiraram a transposição do rio São Francisco do papel, construíram mais de 1 milhão de cisternas e lutaram pelo Bolsa Família. Contarão com o apoio programático meu e do PSB para fazer um governo olhando sempre para os que mais precisam, lutando pela igualdade de oportunidade e pela justiça social. Por isso, faço das palavras de São João Paulo II para Dom Hélder Câmara as minhas palavras para Haddad nesse momento: “irmão dos pobres, meu irmão”.

Artigo originalmente publicado no jornal Correio Braziliense em 17/10/2018

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara