Fake news: aprenda a identificar uma notícia falsa

Após ser assassinada, a vereadora Marielle Franco teve a sua reputação abalada pela 
disseminação de mentiras a seu respeito nas redes sociais

(iStock/iStock)

O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), no dia 14 de março, colocou mais uma vez em evidência um problema que afeta diversos países e começa a interferir seriamente no Brasil: a difusão pela internet de notícias falsas que aparentam ser verdadeiras – as chamadas fake news.

Marielle era conhecida pelo ativismo na defesa dos direitos humanos e mantinha uma postura crítica em relação aos abusos policiais. Ela foi relatora da comissão na Câmara dos Vereadores responsável por acompanhar a intervenção das Forças Armadas no Rio de Janeiro. Passadas duas semanas do crime, ainda não se sabe quem matou ou quem ordenou o atentado contra Marielle e o motorista que a acompanhava, Anderson Pedro Gomes. O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro trabalha com a hipótese de que a polícia ou a milícia estejam envolvidas no assassinato. Ou seja, a principal linha de investigação acredita que Marielle foi morta por se colocar na linha de frente dos abusos cometidos pelas autoridades policiais e militares.

BOATOS SOBRE MARIELLE SE ESPALHAM NA REDE

A vereadora Marielle Franco (Facebook/Reprodução)

Não bastasse o seu brutal assassinato, Marielle sofreu um novo ataque, desta vez na esfera virtual. No dia seguinte à sua morte, passaram a circular pelas redes sociais notícias infundadas sobre o envolvimento da vereadora com o traficante Marcinho VP e a facção criminosa Comando Vermelho. O deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) e a desembargadora Marilia Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio, replicaram informações falsas associando Marielle ao tráfico de drogas, o que teve grande repercussão.

Posteriormente, o site Ceticismo Político publicou uma fake news na tentativa de fazer os leitores acreditarem nessa falsa relação entre a vereadora e o crime organizado. A notícia mentirosa logo se disseminou pelas redes sociais.

No último sábado (24/3), o Facebook retirou do ar o site Ceticismo Político. Ele era administrado por Carlos Augusto de Moraes Afonso, que é sócio de Pedro Augusto Ferreira Deiro, um dos fundadores do Movimento Brasil Livre (MBL), grupo político de direita que ajudou a disseminar a fake news sobre a vereadora. Na quarta-feira (28/3), a Justiça ordenou o Facebook a retirar do ar todas as publicações com notícias falsas envolvendo o caso Marielle.

COMO NÃO SER ENGANADO

(iStock/iStock)

A fake news criada pelo site Ceticismo Político foi compartilhada 360 mil vezes. Em muitos casos a divulgação é feita por usuários de forma deliberada, quando eles sabem que se trata de uma notícia falsa. Mas, em diversas situações, as pessoas desconhecem que estão lendo uma fake news e acabam compartilhando o conteúdo simplesmente pelo fato de a suposta notícia estar alinhada com o seu pensamento político.

Para ajudar a população a separar o joio do trigo, a Federação Internacional das Associações e Instituições de Bibliotecária (IFLA, na sigla em inglês), publicou um receituário para identificação de notícias falsas veiculadas nas redes sociais. Ele é composto de oito dicas:

1. Atente para a fonte de informação: analise outras postagens do site para tentar entender sua missão e propósito;

2. Leia além do título: as manchetes são feitas para chamar a atenção; é importante ler o texto completo;

3. Cheque os autores: verifique se eles de fato existem e são confiáveis;

4. Busque fontes de apoio: encontre outros recursos que deem respaldo ao texto;

5. Confira a data da publicação: veja se a história ainda é relevante e atual;

6. Indague se é uma piada: a notícia pode ser uma sátira ou paródia. Pesquisa o site e o autor para ter clareza;

7. Revise seus preconceitos: avalie se suas crenças estão afetando seu julgamento;

8. Consulte especialistas: confirme a informação com fontes independentes, instituições e sites voltados à checagem de notícias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara