Temer quer dar ministério apenas depois da reforma da Previdência

Presidente pretende acertar trocas com partidos. Crédito: André Dusek/Estadão

Do Estadão

Vera Magalhães vai no ponto: 'O governo vive uma rebelião contra um ministro [Moreira Franco] descrito por pares como candidato a rei do Brasil'. Ele seria o responsável pela ideia, de difícil digestão entre integrantes do primeiro escalão, de reforma ministerial ampla antes de virar o ano.

Antecipar para dezembro a substituição de ministros prejudicaria os 'sem mandatos', como Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) e Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços). Eles perderiam o foro privilegiado e, caso sejam denunciados, terão de ser julgados em primeira instância.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também criticou a intenção, dizendo que atrapalharia a recuperação econômica do País e até mesmo o ambiente político para votação da Previdência. 'Olhando de longe, acho que vai é parar o governo', afirmou.

Mas Temer decidiu condicionar a nova distribuição de cadeiras aos votos dos partidos aliados. As trocas seriam acertadas agora, mas só seriam entregues após conferência do painel de votação da reforma da Previdência. O Planalto avalia que, se a Câmara não aprovar isso até o fim do ano, nada mais passará em 2018.

Embora ainda não tenha votos necessários para aprovar a mudança mais enxuta, o governo segue firme na estratégia de dividir o peso político da tarefa com os parlamentares. O que arranca críticas de Maia: 'Empurrar a responsabilidade da Previdência para o Congresso não ajuda'.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara