Novo cangaço em Varginha: autoridades já identificaram 15 corpos

Mais cinco suspeitos foram identificados pelas polícias Civil e Federal nesta última atualização. Faltam 11 corpos


José Roberto de Rezende Costa e Tatiana Telles, médicos legistas da PCMG, 
à frente do trabalho de identificação
(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press )

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e a Polícia Federal (PF)já identificaram 15 corpos de suspeitos mortos em Varginha, no Sul do estado, no último domingo (31/10), em operação das autoridades contra o novo cangaço. Agora, faltam 11 identificações.

De acordo com a nota oficial das autoridades, nove laudos de identificação foram expedidos pela PCMG. Outros sete pela PF. Os corpos se encontram no Instituto Médico-Legal Dr. André Roquette,na Região Oeste de Belo Horizonte, para retirada pelas famílias.

Dos 15 corpos, apenas seis já foram entregues aos familiares. A Polícia Civil informa que a retirada precisa ser feita por meio de apresentação de documentos de parentes de primeiro grau e do próprio suspeito para comprovar o vínculo.

A PCMG também investiga “a vida pregressa dos indivíduos, bem como dos fatos e de suas circunstâncias para possíveis correlações com outros eventos”.

Segue a lista de identificados abaixo:

Artur Fernando Ferreira Rodrigues, 27 anos, Uberaba (MG)
Dirceu Martins Netto, 24 anos, Rio Verde (GO)
Eduardo Pereira Alves, 42 anos, Brasília (DF) - liberado
Gerônimo da Silva Sousa Filho, 28 anos, Porto Velho (RO)
Gilberto de Jesus Dias, 29 anos, Uberlândia (MG) - liberado
Gleisson Fernando da Silva Morais, 36 anos, Uberaba (MG)
Isaque Xavier Ribeiro, 37 anos, Gama (DF)
Itallo Dias Alves, 25 anos, Uberaba (MG)
José Filho de Jesus Silva Nepomuceno, 37 anos, Caxias (MA)
Nunis Azevedo Nascimento, 33 anos, Novo Aripuanã (AM) - liberado
Raphael Gonzaga Silva, 27 anos, Uberlândia (MG) - liberado
Ricardo Gomes de Freitas, 34 anos, Uberlândia (MG) - liberado
Romerito Araujo Martins, 35 anos, Goiânia (GO)
Thalles Augusto Silva, 32 anos, Uberaba (MG) - liberado
Zaqueu Xavier Ribeiro, 40 anos, Goiânia (GO)

A operação

A operação da Polícia Militar (PM) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) aconteceu em dois sítios localizados em Varginha. Oficialmente, a PM informa que houve dois confrontos.

Na primeira chácara, 18 suspeitos foram mortos. Já na segunda, mais oito morreram. Nenhum policial se feriu.

De acordo com a corporação, eles participariam de ataques a agências bancárias no domingo ou nessa segunda na Região Sul do estado.

Com eles, a polícia encontrou e apreendeu um arsenal de guerra com fuzis, explosivos, pistolas, carregadores, 5.059 balas e outros materiais, como roupas, rádios, coletes e canetas laser.

Durante coletiva de imprensa sobre a operação, as autoridades revelaram que o alvo da quadrilha seria o Setor de Retaguarda e Tesouraria do Banco do Brasil (Seret) ou alguma empresa de transporte de valor.

"O trabalho começou após denúncias anônimas. É uma operação que foi planejada e muito bem estruturada. O grande êxito da operação foi esse: nenhum cidadão teve alguma situação de risco. A ideia era fazer a prisão, mas quando notaram a presença dos policiais, revidaram", explicou o chefe da comunicação da PRF, inspetor Aristides Júnior.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado