STF garante direito à “capitã cloroquina” de ficar em silêncio durante CPI


Médica é integrante do movimento político RenovaBR

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu na noite desta sexta-feira (21) o direito para que a Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministerio da Saúde, Mayra Pinheiro, permaneça calada durante seu depoimento na CPI da Covid. A fala da servidora, conhecida como "Capitã Cloroquina" por conta das posições que adotou a favor do ineficaz tratamento contra a doença, estava programada para ontem. Com a extensão do depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello por dois dias, a audiência com ela deverá ocorrer na terça-feira (25).


O ministro atendeu, em parte, um pedido de reconsideração da defesa de Mayra para que ela se mantivesse calada às perguntas dos senadores. Ela poderá evitar responder sobre temas relativo a uma ação de improbidade administrativa que responde, por conta da crise de oxigênio no estado do Amazonas. Nesta questão, em específico, a depoente poderá alegar que não deseja responder, para evitar criar provas contra si.

No entanto, Lewandowski pontuou que a secretária deve "pronunciar-se sem reservas, especialmente acerca de sua atuação na Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde, vinculada ao Ministério da Saúde, bem assim sobre as demais questões que vierem a ser formuladas pelos parlamentares".

A decisão de Lewandowski é a segunda a permitir que um depoente na CPI da Covid fique calado. Nesta semana, o ministro concedeu o direito a Eduardo Pazuello para que ele também permanecesse em silêncio sobre questões que pudessem produzir prova contra si. A decisão – que não permitia a ele se calar sobre outras pessoas – acabou sendo de pouco uso, pois o general quase não usou do dispositivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz