Governo pune professores após criticarem Bolsonaro em live de universidade

A Controladoria-Geral da União (CGU) puniu os professores com uma advertência após o ocorrido

Por iG Último Segundo

Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro (sem partido)

RESUMO
  • Dois professores foram punidos com uma advertência oficial por terem criticado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
  • A fala dos professores aconteceu no dia 07 de janeiro, durante uma live da universidade onde trabalham
  • De acordo com a CGU, a live nas redes sociais da instituição "se configura como 'local de trabalho'
Dois professores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) foram punidos pela Controladoria-Geral da União (CGU) com uma advertência oficial por terem criticado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) . A punição foi publicada no Diário Oficial desta terça-feira (02), mas repercutiu nesta quarta (03) nas redes sociais. As informações são da agência de notícias Reuters .

As punições, do ex-reitor e coordenador da pesquisa nacional EpiCovid, Pedro Hallal, e do professor Eraldo dos Santos Pinheiro, pro-reitor da instituição, foram publicadas sem maiores detalhes. Elas apenas indicavam que ocorriam por "proferir manifestação desrespeitosa e de desapreço direcionada ao Presidente da República" e que isso teria sido feito "durante transmissão ao vivo de Live nos canais oficiais do Youtube e do Facebook da Instituição", no início de janeiro.

De acordo com a CGU, a live nas redes sociais da instituição "se configura como 'local de trabalho' por ser um meio digital de comunicação online disponibilizado pela Universidade".
Transmissão ao vivo

A fala dos professores aconteceu no dia 07 de janeiro, durante uma live realizada para encerrar o mandato de Hallal à frente da UFPel. Assim como aconteceu em outras universidades federais, Bolsonaro não seguiu a praxe de escolher o docente com maior votação pela comunidade universitária.

Sabendo da tendência de Bolsonaro de não indicar o mais votado nas eleições internas, a universidade fez uma lista tríplice com os três integrantes da chapa vencedora: Paulo Roberto Ferreira Júnior, candidato a reitor, Isabela Andrade e Eraldo Pinheiro, todos os três da mesma chapa. Isabela foi escolhida como reitora.

Leia também
Durante a live, Hallal afirmou que Bolsonaro tentou "dar um golpe na UFPel", que o presidente era um "defensor de torturador" e o "único chefe de Estado do mundo que não defende a vacinação" contra a Covid-19. "Nós nunca nos curvamos ao presidente da República e não nos curvaremos mais uma vez", disse.

Eraldo Pinheiro, por sua vez, chamou o presidente de "sujeito machista, homofóbico, genocida, que exalta torturadores e milicianos".

A Reuters procurou os professores, a universidade e a Controladoria-Geral da União para mais explicações, mas ainda não obteve respostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Em 2020, Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado