Após alertas do Congresso, Planalto busca nome para vaga de Ernesto Araújo

Chanceler, que não conta com apoio nem dentro do governo, tentou convencer parlamentares de que está trabalhando para conseguir vacinas e insumos para combate à Covid-19. 
Não convenceu.

Por Andréia Sadi
G1

Ernesto Araújo em sessão no Senado, na quarta-feira (24): senadores pediram sua saída. 
 Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Pressionado por diversos setores da sociedade e após alerta do Congresso, interlocutores do presidente Bolsonaro estão em busca de um nome para a vaga de Ernesto Araújo no comando do Ministério das Relações Exteriores.

Segundo o blog apurou, Araújo não conta com apoio nem dentro do governo – apenas a ala ideológica, como o assessor Filipe Martins e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, gostariam de sua permanência no cargo.

Para tentar reverter a sua situação, o ministro tentou explicar no que estava trabalhando durante a pandemia para o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), na manhã desta quinta-feira (25), em conversa na residência oficial da Câmara.

A conversa, relatada a parlamentares, não convenceu Lira que, assim como o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), está às voltas nos últimos dias com reuniões com embaixadores de outros países em busca de soluções para o atraso das vacinas.

Para parlamentares ouvidos pelo blog, a situação de Ernesto está insustentável e atrapalha as negociações com outros países a respeito das vacinas e insumos.

Diante desse cenário, segundo o blog apurou, o governo busca nomes para a vaga do chanceler – e o presidente já está ciente de que a troca de Ernesto é prioridade para os parlamentares e para a boa relação com o Congresso.

Entre os nomes cotados por senadores e integrantes do Planalto, por enquanto, estão os do ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor (PRB-AL) e do também senador Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Há um grupo na Câmara que defende que o nome seja o de um diplomata, técnico, por acreditar que a chamada ala ideológica não aceitará a derrota dupla: a saída de Ernesto e entrada de um político no cargo.

De toda forma, a saída de Ernesto é vista no Planalto como a senha para que as relação do Congresso com o presidente siga sem tumultos – ou seja, sem as chamadas medidas amargas e fatais, como comissões parlamentares de inquérito e impeachment.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz