Jaques Wagner volta a pedir renovação no PT e diz que partido foi criado "num mundo que está indo embora"

“A gente ainda não atualizou a agenda do mundo do trabalho”, defende o senador petista Jaques Wagner, ao reiterar críticas ao PT

Jacques Wagner (Foto: Gisele Federicce)

247 - O senador Jaques Wagner (PT-BA) voltou a fazer críticas ao Partido dos Trabalhadores em meio ao resultado da legenda nas eleições municipais. 

Em entrevista ao The Intercept Brasil, Wagner defendeu que o PT precisa reformular sua agenda programática. "O PT foi fundado num mundo que está indo cada vez mais embora. Por isso é que falo que precisamos de uma mudança geracional. Óbvio que eu acompanho, uso tudo isso, mas minha neta está cem vezes na minha frente", afirma Wagner. "Veja o Bruno Covas, a moçada em volta dele, seus secretários, têm 30, 40 anos. Estão com plena energia. É diferente. As pessoas ou vão entender isso ou vão ficar falando de outros tempos. Mas acho que o PT já está entendendo isso", acrescenta. 

“A gente ainda não atualizou a agenda do mundo do trabalho”, defende o senador, questionado sobre como um partido nascido no sindicalismo de categorias numerosas fará para se conectar com um trabalhador cada vez mais informal e uberizado.

Jaques Wagner também critica as chamadas "pautas identitárias", afirmando que elas ocuparam espaço "excessivo" na agenda do partido. 

"A pauta chamada identitária, que ocupa a nossa agenda há muito tempo, principalmente após o regime autoritário, é mais do que justificada – está aí o racismo nos Estados Unidos e o episódio terrível [do assassinato de João Alberto Silveira Freitas, negro, por seguranças do Carrefour] no Rio Grande do Sul. Como isso tudo estava represado, passou a ocupar nossa agenda centralmente e virou uma espécie de ditadura do politicamente correto. E aí acho que a gente produziu uma porção de gente que se recolheu com medo dessa imposição [da pauta], que não foi só da gente da esquerda, mas também das novelas", afirma. 

Após o resultado das eleições municipais, Jaques Wagner defendeu uma renovação no PT e disse que o partido não poderia mais ficar "refém" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz