Major Olímpio ameaça deixar PSL após 'flerte' com Bolsonaro: "Tchau, queridos"

Luciano Bivar, presidente do partido, rebateu: 
"Quem quer, faz. Não ameaça"

Por Agência O Globo

Pedro França/Agência Senado
Major Olímpio ameaçou deixar o PSL após reaproximação do
 partido com o presidente Jair Bolsonaro

O senador Major Olimpio (PSL-SP) não gostou da reaproximação de seu partido, o PSL, com o presidente Jair Bolsonaro, e ameaçou deixar a legenda em mensagem encaminhada no grupo de parlamentares do partido, segundo postou o próprio no Twitter. Olímpio disse ter sentido "vontade de vomitar" com o 'flerte' da sigla com o presidente e postou seu recado em rede social com o tradicional slogan usado contra Dilma Rousseff (PT), durante seu processo de impeachment, adaptando o "tchau, querida" para "queridos".

Leia também
A reaproximação do PSL com Bolsonaro foi noticiada neste sábado (11) pelo jornal O GLOBO e citada por Major Olímpio em sua forte reação contrária a ideia.

"Ao ler matéria jornalística dando conta (de) que Bolsonaro busca reaproximação com o PSL para ampliar sua base, e que ligou para (o presidente do partido) Luciano Bivar e que o vice-presidente do partido, (Antonio) Rueda, e (o senador) Flávio Bolsonaro (Republicanos) costuram a aproximação, me deu vontade de vomitar!", postou o senador em sua conta no Twitter.

Na sequência, Olímpio completou: "Eu disse no grupo de parlamentares do PSL que, se isto acontecer, sentirei muita saudade do partido. TCHAU QUERIDOS!".

O presidente do partido, Luciano Bivar , procurou a reportagem do GLOBO para rebater: "Quem quer, faz. Não ameaça".

Entenda a reaproximação de Bolsonaro com o PSL

Eleito pelo partido, Bolsonaro rompeu com a legenda e se desfiliou no fim do ano passado . Na ocasião, chegou a dizer a um apoiador para "esquecer" Luciano Bivar, que preside a legenda, pois ele estaria "queimado para caramba" .

A reaproximação foi selada com um telefonema de Bolsonaro para Bivar, há duas semanas. A conversa foi rápida, porém cordial. Antes disso, o partido já havia acenado ao presidente com a retirada de Joice Hasselmann (PSL-SP), opositora de Bolsonaro, da liderança da sigla na Câmara dos Deputados.

Em troca, como garantia para ampliar sua base no Congresso, o Planalto ofereceu cargos ao partido, como a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, a Eletrosul e o Banco da Amazônia. Dirigentes do PSL afirmam que os cargos não foram aceitos e que a reaproximação com o presidente ocorre por "afinidade de pautas".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz