Pernambuco com fila zerada de pacientes para as UTIs de Covid-19


Após o registro do pico de pacientes em maio, o mês de junho chegou trazendo uma redução significativa na procura por leitos, que ficou abaixo da oferta em todo o Estado

Houve momentos, no mês passado, em que as filas de espera por leitos de UTI nos hospitais chegavam a contabilizar até 300 pessoas. Nesta primeira semana de junho, porém, Pernambuco respira um pouco mais aliviado. A Central de Regulação de Leitos – responsável pela distribuição das vagas nas unidades de saúde vinculadas ao SUS – informou que o Estado já conta com atendimento imediato às demandas de internações de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), com a oferta de leitos superando a procura.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, André Longo, Pernambuco conta com uma rede de saúde fortalecida, que conseguiu atender às demandas de todos os pacientes, mesmo àqueles que, de forma temporária, aguardavam por uma vaga de UTI. “Todas as nossas salas vermelhas das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e das emergências hospitalares contam com suporte de oxigênio e respiradores, quantidade que foi reforçada durante os preparativos da rede para enfrentar a pandemia”, ressaltou Longo.

“Chegamos até aqui graças à maior operação  sanitária e logística já registrada na historia da nossa saúde pública. Em 18 de março, ao lado do prefeito Geraldo Julio, anunciamos que iríamos abrir mil novos leitos para enfrentar a Covid-19. Hoje, somando Estado e Prefeitura da Capital, já colocamos à disposição dos pernambucanos 2.407 leitos, sendo 900 de UTI e 1.507 de enfermaria. Vamos continuar reforçando nossa capacidade de atendimento para dar uma assistência digna à população”, afirmou o governador Paulo Câmara, em pronunciamento neste domingo.

O secretário André Longo, por sua vez, lembrou um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que indicou Pernambuco como o oitavo Estado mais bem equipado de respiradores pulmonares do País, ainda antes de ser declarada a condição de pandemia do novo coronavírus. A taxa de era 28,6 respiradores por 100 mil habitantes, melhor percentual do Norte e Nordeste.

De fato, a ampliação da oferta de leitos acima da demanda aconteceu graças a essa parceria entre Governo do Estado e Prefeitura do Recife, mencionada por Paulo Câmara, que nos últimos meses assegurou um número recorde de abertura de vagas na história da saúde pública de Pernambuco. Com o decreto estadual que estabeleceu a quarentena mais rígida na Região Metropolitana do Recife, entre os dias 16 e 31 de maio, o Estado e a capital atingiram os maiores níveis de isolamento social registrados no Brasil.

Analisando os números detalhadamente, o Governo de Pernambuco disponibilizou até o momento 1.543 leitos, em 20 municípios das quatro macrorregiões de saúde do Estado. Ao todos, são 688 vagas de UTI e 855 vagas de enfermaria. No Recife, a Prefeitura abriu, em tempo recorde, sete hospitais de campanha, disponibilizando nos últimos dias cerca de 100 leitos, que resultaram no total de 864 vagas na capital, sendo 212 de UTI e 652 de enfermaria.

“Além desse grande esforço de abertura de leitos, a marca que alcançamos hoje é fruto da decisiva colaboração dos pernambucanos, que entenderam a mensagem e adotaram um isolamento social mais rígido e medidas de proteção e de distanciamento que precisam continuar sendo seguidas com a reabertura gradual das atividades, a partir desta segunda-feira (08.06)”, disse André Longo.

TENDÊNCIA – Desde o início de junho, tem sido notada uma tendência de redução do fluxo na rede de saúde, de acordo com a Central de Regulação de Leitos de Pernambuco. Enquanto, em meados de maio, foram cerca de 2,1 mil demandas por internação, ao longo das duas últimas semanas o percentual sofreu uma significativa redução, e na semana passada o número registrado caiu aproximadamente 30%, chegando a 1,4 mil.

Nas 15 UPAs estaduais, porta de entrada da rede de urgência e emergência, a redução da curva epidêmica e da taxa de transmissão é visível. Foi registrada uma redução de cerca de 60% nos atendimentos a pacientes com quadros de dificuldade respiratória, em comparação com o mês de maio passado, caindo de 662 pessoas no dia 05 de maio para 269 em 05 de junho.

Mesmo diante dos dados positivos, o secretário estadual de Saúde adverte que ainda não é momento de relaxar as medidas de isolamento e atenção, e assegura que o Governo de Pernambuco continuará atuando para abrir novos leitos e criar condições de manter a caminhada rumo a uma nova normalidade. A tendência, segundo André Longo, é de redução, ao longo dos próximos dias, da taxa de ocupação dos leitos dedicados a pacientes do novo coronavírus, que atualmente é de 76%, sendo de 62% nos leitos de enfermaria e 96% nos leitos de UTI.

Na última sexta-feira (05.06), durante coletiva de imprensa transmitida pela internet, Longo afirmou que novos leitos de UTI serão abertos nos próximos dias, nos hospitais de Referência Covid-19 – unidade Olinda (Maternidade Brites de Albuquerque); Mestre Vitalino, em Caruaru; e Dom Moura, em Garanhuns. E que ventiladores de transporte estão sendo providenciados para reforçar as salas vermelhas dos hospitais Regional de Ouricuri e Dom Moura de Garanhuns, da UPA de Caruaru e da UPAE de Garanhuns.

Link para o pronunciamento do governador: https://we.tl/t-nQuuk9LjZd

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS