“Generais não sabem fazer saúde”, afirma Mandetta sobre Saúde

Além de militarização da pasta, ex-ministro aborda retomada econômica, amizade com Moro e carreira na política

Por iG Último Segundo 

Agência Brasil/Marcello Casal JR
"Vai que rola", diz Mandetta sobre possível candidatura para presidência em 2022

Em nova entrevista concedida à AFP, Luiz Henrique Mandetta (DEM), ex-ministro da Saúde, voltou a comentar a ocupação de militares no Ministério da Saúde diante da pandemia, classificando-a como “decepcionante”. No meio da pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demitiu Mandetta por discordâncias sobre o combate ao vírus .

LEIA TAMBÉM

Com suas ações de combate à Covid-19, a imagem de Mandetta ganhou muita força política e credibilidade entre autoridades. Ele comentou brevemente sobre um futuro seu na política, diz que é amigo do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e avaliou a retomada econômica dos estados.

Mandetta revela ainda que nem o sucessor na pasta, Nelson Teich, e o atual ministro interino, Eduardo Pazuello , tentaram contato com ele durante suas gestões. Pazuello, que é general, chegou a nomear mais de vinte militares para cargos na Saúde , o que Mandetta enxerga como uma “perda de credibilidade”.

Mesmo seguindo uma ordem em que não pode falar publicamente sobre a pandemia até outubro deste ano, o médico afirma que tem ajudado outros estados de maneira voluntária.

Dados oficiais

Nas últimas semanas, os dados oficiais do Ministério da Saúde são vistos com descrença, já que o órgão, há algumas semanas, parou de exibir os casos e óbitos por Covid-19 em sua totalidade , mantendo no registro oficial apenas os dados das últimas 24 horas.

“Toda vez que você muda a metodologia de número, aquilo quebra a confiança da população”, explicou Mandetta à AFP. A questão, segundo ele, não é afirmar se há credibilidade, mas avaliar a postura da pasta “junto a entidades e à sociedade civil”.

“É lastimável eles terem perdido a credibilidade que foi construída com base em números, transparência e divulgação plena à sociedade”, lamentou.

Militares na Saúde

Mandetta usa as palavras “decepcionante” e “chato” para definir a decisão de Bolsonaro de entregar a pasta à ala militar. “Os médicos não sabem fazer guerra e os generais não sabem fazer saúde”, disse o ex-ministro. “A história vai dizer, os números vão dizer, desde que se tenha clareza e que não haja censura a eles”, continuou.

Ele comentou ainda a alteração no protocolo do uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 , permitida por Pazuello. Mandetta foi relutante ao fazer essa mudança, já que a hidroxicloroquina, até hoje, não é garantida pela ciência como eficaz contra a doença.

“Não é uma questão de torcer a favor ou contra. Vemos aqui uma estratégia militar nesse tipo de publicação, quando um presidente capitão propõe e um ministro general publica esse protocolo. Me parece o mais próximo de um estudo às cegas. Eles são duas pessoas que não têm nenhum compromisso com a área da saúde, eles têm compromisso com a área política e da lógica militar. Infelizmente o ministério da Saúde hoje não exerce hoje uma função de gestão da saúde, é um ministério sob ocupação militar e de números militares”, disse Mandetta.

A atual situação da pandemia no Brasil

Segundo Mandetta, o pior já passou para estados como Manaus e Belém do Pará. Ele analisa que São Paulo e Rio de Janeiro podem estar entrando em um platô, mas reconhece que os casos estão crescendo em Minas Gerais, que sofre com a interiorização da doença e pretende decretar lockdown em alguns pontos.

O médico afirma ainda que só agora o novo coronavírus ganhou força no Centro-Oeste, mas ainda não chegou ao Sul. “Se você fala do Brasil como um todo, a epidemia só poderá ser analisada com a estabilização da curva em todas as regiões, o que deve ocorrer no final de agosto ou no início de setembro”, analisou.

Segundo ele, o que tem segurado as pontas é o Sistema Único de Saúde (SUS). Mandetta argumentou que o Brasil não teve óbitos por desassistência. Logo, o sistema de saúde público tem conseguido dar conta dos atendimentos. “Se olhamos na relação de óbitos por milhão, o Brasil guarda uma posição mediana”, disse.

Retomada econômica

Mandetta critica o fato de a decisão da reaberturas estar nas mãos de gestores municipais e estaduais, o que acontece justamente pela falta de um ministro. Por conta das eleições, os prefeitos estariam se posicionando de acordo com o calendário eleitoral.

“Se permanecerem fechados por mais tempo, os empresários, cultos e comércios reclamariam que o fechamento os prejudicava. Se liberassem muito precocemente superlotariam seus hospitais. Logo, essa decisão é tomada de maneira assimétrica”, afirmou.

O ex-ministro diz que alguns estados têm melhor assistência que outros. “É um país de muito contraste. Vamos ver com o tempo como as coisas vão se dar.”

Futuro na política

Mandetta afirmou que conversa com Sérgio Moro e que os dois têm um laço de amizade. “Me dou bem com ele”, disse. Ele diz ainda que ambos veem “dever como cidadão” em participar “ativamente” das próximas eleições presidenciais em 2022.

Desta forma, o ex-ministro da Saúde vê uma chance de “fortalecer a democracia brasileira” e que “com certeza” participará das eleições de 2022. Questionado se não há nada descartado, Mandetta confirma que não. “Vai que rola”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS