Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Queiroz é preso no interior de SP

Queiroz é investigado um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio; 'Estadão' revelou relatório do Coaf sobre 'movimentações atípicas' do ex-assessor em 2018

Redação, O Estado de S.Paulo

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi preso preventivamente na manhã desta quinta, 18, em Atibaia, em São Paulo. A mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, também é alvo de mandado de prisão, no Rio. De acordo com o Ministério Público de São Paulo, ele estava num imóvel do advogado Frederick Wassef e será levado para o Rio de Janeiro ainda nesta quinta. 

Wassef é advogado de Flávio no caso Queiroz e do presidente Jair Bolsonaro no caso Adélio Bispo, que atingiu com uma facada o então candidato à Presidência em 2018 em Juiz de Fora, Minas Gerais. O advogado participou, um dia antes da prisão, da cerimônia de posse do ministro das Comunicações, Fábio Faria, em Brasília.

LEIA TAMBÉM


O ex-assessor Fabrício Queiroz após ser preso na casa do advogado do senador 
Flávio Bolsonaro em Atibaia, no interior de SP, nesta quinta, 18 
Foto: EFE/Sebastião Moreira

A assessora Alessandra Esteves Marins, atualmente lotada no gabinete de Flávio Bolsonaro no Senado, também é alvo da operação. Ela está lotada em um cargo de confiança, em um escritório de apoio ao senador na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. 

Os mandados de busca e apreensão e de prisão contra Queiroz foram expedidos pela justiça do Rio e a prisão foi feita na Operação Anjo da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo. A operação mira outros dois ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Matheus Azeredo Coutinho e Luiza Paes Souza, e o advogado Luis Gustavo Botto Maia. A Polícia cumpre ainda mandado de busca e apreensão em casa que consta na relação de bens do presidente Jair Bolsonaro no Rio. O imóvel fica em Bento Ribeiro, na Zona Norte da cidade. 

Segundo a Polícia Civil de São Paulo, caseiros do imóvel onde Queiroz foi preso afirmaram que o ex-assessor estava na residência de Wassef havia cerca de um ano. O advogado de Flávio Bolsonaro, no entanto, disse em ao menos duas ocasiões no ano passado que não sabia onde estava o ex-assessor

Fred Wassef (de gravata amarela, no canto superior direito), dono da casa onde 
Queiroz foi preso, estava em Brasília na quarta, 17 
Foto: Marcos Corrêa/Planalto

Em sua conta oficial no Twitter, Flávio disse que encara “com tranquilidade” a prisão de Queiroz, e interpretou a ação da polícia como um ataque direcionado a seu pai, o presidente Jair Bolsonaro. “Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro”, escreveu o senador. “Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”

Prisão em Atibaia

À GloboNews, o delegado da Polícia Civil, Osvaldo Nico Gonçalves, afirmou que Queiroz não ofereceu resistência à prisão e que estava na casa do advogado há cerca de um ano, segundo informado pelo caseiro. Queiroz foi encontrado sozinho e não reagiu à prisão. Ele disse aos policiais que estava com a saúde ‘muito abalada’. Celular, documentos e uma pequena quantia em dinheiro de Queiroz foram apreendidos. 

Nico Gonçalves indicou ainda que os agentes tiveram que arrombar a porta da casa em que Queiroz foi encontrado, do advogado Fred Wassef. Segundo ele, Queiroz estava dormindo, se mostrou surpreso e pode não ter ouvido a campainha.

Queiroz é investigado um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio e por lavagem de dinheiro em transações imobiliárias com valores de compra e venda fraudados. 
Caso Coaf

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz 
Foto: SBT Notícias

Em dezembro de 2018, o Estadão revelou que Queiroz foi citado em um relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) por movimentar R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira "atípica", o que arrastou o gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro para o centro de uma investigação do Ministério Público Estadual. 

Promotores apontam indícios de que uma organização criminosa foi montada no gabinete de Flávio, o 01 do presidente, para desviar dinheiro dos salários dos funcionários, a chamada. O dinheiro teria sido lavado por meio da compra e da venda de pelo menos 19 imóveis no Rio.

Em abril de 2019, a Justiça do Rio de Janeiro determinou a quebra do seu sigilo fiscal e bancário, do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e de outras 84 pessoas e 9 empresas entre 2007 e 2018.
Nota do Ministério Público de São Paulo

Na manhã desta quinta-feira (18/6), o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Polícia Civil efetuaram a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, na cidade de Atibaia. Ele foi encontrado pelo Gaeco, responsável pelos levantamentos no terreno e pela confirmação do alvo da operação, no escritório de um advogado que presta serviços ao parlamentar. Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça do Rio, a pedido do Grupo de Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público daquele Estado, que investiga a participação de Queiroz em um esquema desvio de vencimentos de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. A transferência para o Rio ocorrerá ainda hoje.

Nota do Ministério Público do Rio de Janeiro

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), e o Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do (GAECO/MPSP), prenderam, nesta quinta-feira (18/06), Fabrício Queiroz. A Operação Anjo, deflagrada no início da manhã, cumpre ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça relacionadas ao inquérito que investiga a chamada 'rachadinha', em que servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) devolveriam parte dos seus vencimentos ao então deputado estadual Flávio Bolsonaro. 

Contra outros suspeitos de participação no esquema, o MPRJ obteve na Justiça a decretação de medidas cautelares que incluem busca e apreensão, afastamento da função pública, o comparecimento mensal em Juízo e a proibição de contato com testemunhas. São eles o servidor da Alerj Matheus Azeredo Coutinho; os ex-funcionários da casa legislativa Luiza Paes Souza e Alessandra Esteve Marins; e o advogado Luis Gustavo Botto Maia. / FAUSTO MACEDO, MATHEUS LARA, PEPITA ORTEGA, ELIZABETH LOPES

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz