Berço do clã Bolsonaro, Rio de Janeiro vira campo minado para o presidente

CARTA CAPITAL

WILSON WITZEL E JAIR BOLSONARO (FOTO: MARCOS CORRÊA/PR)

Questões envolvendo Flavio Bolsonaro e ambições políticas de Wilson Witzel e João Doria explicam o fenômeno

Jair Bolsonaro nasceu no interior paulista, mas fez carreira política no Rio de Janeiro. Na campanha presidencial, deu uma surra no petista Fernando Haddad no eleitorado fluminense, 66% a 33%. Agora vê o Rio virar um campo minado, graças aos rolos do filho Flavio, aos sonhos presidenciais do governador Wilson Witzel e aos mesmos sonhos de outro governador, João Doria Jr., de São Paulo.

Por obra do tucano Doria, o PSDB do Rio acaba de filiar o advogado Gustavo Bebianno, que na eleição comandou o PSL, ex-partido de Bolsonaro, e foi secretário-geral da Presidência com o ex-capitão. Bebianno está na bronca com o presidente desde a demissão e outro dia comentou que a perseguição dele contra a Folha daria impeachment. É dono de vários segredos bolsonaristas.

O PSDB do Rio é dirigido por outro ex-aliado de Bolsonaro que guarda segredos, entrou no partido pelas mãos de Doria e trabalha pela ambição presidencial do tucano. É o empresário Paulo Marinho, em cuja casa o ex-capitão gravou propagandas eleitorais. Ele tem motivo para querer sabotar o clã Bolsonaro. É suplente de Flavio no Senado e herdaria a vaga, se o filho do presidente fosse cassado.

Há risco de cassação por causa das investigações do caso Fabricio Queiroz. Elas foram retomadas após o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar, a pedido de Flavio, se o Ministério Público (MP) poderia usar, sem autorização judicial, dados do ex-Coaf, atual Unidade de Inteligência Financeira (UIF), órgão de combate à lavagem de dinheiro. O STF decidiu que sim.

➤ Leia também:

Dados do ex-Coaf sobre a vida bancária de Queiroz abastecem o MP do estado do Rio nas apurações sobre o ex-PM amigo de Jair Bolsonaro e sobre Flavio. Serviram de base para os promotores pedirem à Justiça, e conseguirem em maio, a quebra dos sigilos bancário e fiscal do senador, de Queiroz e de quase 90 pessoas físicas e jurídicas.

A investigação é conduzida por promotores ligados diretamente ao gabinete do chefe do MP do Rio, Eduardo Gussem. Este foi reconduzido ao cargo em janeiro de 2019 pelo governador do estado e tem se dado bem com ele. Witzel é outro interessado na desgraça bolsonarista. Diz a gente de sua confiança que o presidente não termina o mandato e que concorrerá à cadeira dele em 2022.

JOÃO DORIA E BOLSONARO

Witzel é um incômodo para o ex-capitão no caso Marielle Franco, ao menos é o que o presidente pensa. As investigações do assassinato são comandadas pela Polícia Civil do Rio, cujo chefe, o delegado Marcus Vinícius Braga, foi nomeado por Witzel. Foi em depoimento a essa polícia que um porteiro citou Bolsonaro, embora depois tenha voltado atrás perante a Polícia Federal (PF).

Bolsonaro acusou Witzel de manipular a investigação. “Quem está atrás disso? Não tenho dúvida: governador Wilson Witzel, que só se elegeu graças ao meu filho Flavio Bolsonaro. Colou nele o tempo todo, chegando um mês depois e virou inimigo nosso”, disse no início de novembro. “Tudo quanto é amigo meu estão sendo investigados agora lá no Rio.”

As movimentações de Doria também já mereceram comentários públicos do ex-capitão. Em setembro, Bolsonaro afirmou que o tucano não tem chance na eleição presidencial de 2022, por falta de “apoio popular” e por ser uma “ejaculação precoce”, daí que Doria deveria mirar a campanha seguinte, de 2026.

FLÁVIO BOLSONARO E O EX-ASSESSOR, EX-AMIGO, 
EX-MOTORISTA E EX-POLICIAL FABRÍCIO QUEIROZ 
(FOTO: REPRODUÇÃO)

“No Brasil, a centro-esquerda tem uns 30% desde os anos 1940. O que pouco se fala, e isso é muito importante, é da disputa no campo da direita hoje. O Bolsonaro será esvaziado?”, diz o cientista político Claudio André de Souza, da Universidade Federal da Bahia, autor do livro Para onde vai a política brasileira?, de 2018.

Se depender dos direitistas Doria e Witzel, Bolsonaro será mais do que esvaziado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz