Maia diz que equipe econômica de Bolsonaro está cheia de ‘professor de Deus’

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Do Blog de Jamildo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar o governo Jair Bolsonaro (PSL) no segundo compromisso desta segunda-feira (4) em Pernambuco. Depois do general Augusto Heleno (ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional), o alvo foi a equipe econômica. Apesar de dizer que sente admiração pelo ministro Paulo Guedes, afirmou que a pasta da Economia está cheia de “professor de Deus”.

LEIA TAMBÉM

A declaração foi feita pelo parlamentar ao receber uma homenagem da Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (Novabio). O evento foi feito pelo setor por causa da articulação do presidente da Câmara para a suspensão de uma portaria que aumentava para 750 milhões de litros a cota de etanol que poderia ser importado dos Estados Unidos sem taxação.

Maia relatou que recebeu na residência oficial representantes dos ministérios da Agricultura e da Economia para uma conversa sobre o assunto. “Tudo o que eu falava, ele [o representante da pasta da Economia] dizia que eu não tinha compreendido bem. Na terceira, eu me irritei e falei ‘vamos fazer o seguinte: já que eu sou burro e você é inteligente, eu fico com a minha posição, você com a sua e nós vamos derrubar a decisão do governo na próxima semana no parlamento, não tem problema”, contou. 

“Ali na equipe econômica tem muito professor de Deus, esse é o problema muitas vezes das equipes econômicas. Todo mundo sabe aqui da minha admiração pelo ministro, mas de fato as equipes econômicas têm duas visões, uma liberal na economia e outra de arrecadação para o Tesouro. E elas acham que a sociedade é capaz de aceitar tudo e de passar por todas as dificuldades por uma boa tese dos economistas brasileiros”, disse. “Nós [os parlamentares] vivemos a vida real”.

Augusto Heleno e Olavo de Carvalho

Antes de participar da homenagem no Recife, Rodrigo Maia visitou a Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana. Em entrevista, criticou Augusto Heleno. Em uma primeira declaração sobre a fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em relação a um “novo AI-5“, o ministro disse que era preciso “estudar como fazer”.

“Acho que a frase dele foi grave. Além disso, fez críticas ao parlamento como se o parlamento fosse um problema para o Brasil. É uma cabeça ideológica. Infelizmente, general Heleno virou um auxiliar do radicalismo do Olavo. É uma pena que um general da qualidade tenha caminhado para essa linha”, afirmou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

CICLISTAS SANTA-CRUZENSES DE MALAS PRONTAS PARA NOVOS DESAFIOS