62% rejeitam Eduardo embaixador e 55% criticam falas recentes de Bolsonaro

Pesquisa da XP/Ipespe também mostra 
que avaliação de ruim/péssimo do 
governo chegou a 38%, maior índice 
numérico desde início do mandato

Exame

Eduardo Bolsonaro, e o pai, Jair Bolsonaro após o Conselho de Ética da Câmara arquivar duas representações (12/17 e 13/17) contra o deputado por quebra do decoro 
 (Fabio Rodrigues Pozzebom//Agência Brasil)

São Paulo – 62% dos brasileiros são contra e 29% são a favor da indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

Os dados são de uma pesquisa da XP/Ipespe com 1.000 entrevistas por telefone realizadas nos dias 5, 6 e 7 de agosto e divulgada nesta sexta-feira (09). A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

O nível de rejeição à indicação é exatamente o mesmo registrada por uma pesquisa divulgada recentemente pela consultoria Atlas Político com base em entrevistas na internet.

Na quinta-feira, o governo americano concedeu o agrément para que Eduardo assuma o posto, mas a indicação ainda precisa passar pelo Senado.

Governo e Congresso

A pesquisa da XP/Ipespe mostra também que a avaliação de ruim/péssimo do governo Bolsonaro chegou a 38%, uma alta de 3 pontos percentuais em relação a julho.

Ainda que a variação esteja dentro da margem de erro, este é o maior índice numérico registrado desde o início do mandato. Em fevereiro, o governo tinha apenas 17% de ruim/péssimo.

A avaliação de ótimo/bom ficou em 33% em agosto, na mesma faixa dos 34% registrados ao longo dos meses de maio, junho e julho. A avaliação de regular está em 27%, também inalterada.

Na contramão do governo, a rejeição ao Congresso caiu fora da margem de erro. A taxa de ruim/péssimo foi de 45% para 41% entre julho e agosto, enquanto a de regular subiu de 39% para 43%. A taxa de ótimo/bom segue em 12%.

Falas

Os entrevistados também foram questionados sobre as últimas falas do presidente, que subiu o tom da agressividade nas últimas semanas.

Bolsonaro questionou dados oficiais sobre desmatamento, negou que haja fome no país, se referiu a nordestinos de forma pejorativa, sugeriu censura oficial de filmes realizados com apoio do governo e provocou o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, ao negar que seu pai tenha sido morto pela ditadura, o que é comprovado por documentos do governo.

55% avaliaram como “inadequadas” as falas do presidente no último mês, enquanto 43% classificaram como “normais porque é o jeito dele”.

Questionados sobre o impacto dessas frases para a administração do país, 44% afirmaram que as declarações atrapalham muito, 28% que atrapalham um pouco e 26% que não tem efeito.

Futuro

A expectativa de que o resto do mandato de Bolsonaro seja ótimo/bom caiu de 47% para 44% no último mês, também dentro da margem de erro mas com queda de 19 pontos percentuais em relação a janeiro.

A percepção de que a corrupção no Brasil nos próximos 6 meses terá “diminuído ou diminuído muito” caiu de 39% para 35% em um mês, fora da margem de erro e também 19 pontos abaixo do pico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em novo caso de nudez, corredora sai pelada em Porto Alegre

Filho deve substituir Aragão candidato em Santa Cruz