Longa Frei Damião - O Santo do Nordeste é ovacionado em première na abertura da 23ª edição do Cine PE

Deby Brennand


Dirigido por Deby Brennand, o filme foi considerado Hors Concours pela curadoria do festival e teve o grande desafio de contar a história do capuchinho que é um grande símbolo de fé e cultura para os nordestinos.

Emoção, memórias, encontros, boas histórias e sucesso. Em poucas palavras, é assim que pode ser definida a première do longa Frei Damião - O Santo do Nordeste, que lotou o Cinema São Luiz de espectadores de diferentes estilos, idades e credos na abertura do Cine PE, na noite dessa segunda-feira (29). O filme, dirigido por Deby Brennand, roteirizado por Nadezhda Bezerra e produzido pela Fábrica Estúdios, foi considerado Hors Concours pela curadoria do festival e teve o grande desafio de contar a história do capuchinho que é  símbolo de fé e cultura para os nordestinos.

Para a diretora do documentário, Deby Brennand, a produção audiovisual, além da representação de uma história de vida, é também um fio de esperança para as próximas gerações. “Espero que independente do credo, vocês tirem um pouco do exemplo do homem que ele foi. Ele lutou a vida inteira por um ideal e se despiu das coisas materiais para se dedicar ao próximo. Se a gente fizesse só um pouquinho do que ele fez, acho que o mundo seria melhor”, comentou, emocionada.

Justamente pelo fato de representar uma figura tão mítica - e que tem um papel tão significativo na vida dos nordestinos, já sendo considerado santo por muitos, uma das maiores expectativas da produção do filme era em relação à recepção deste público específico. “Fico pensando se as pessoas vão gostar da leitura que a gente fez, do modo como ele foi representado. Fora isso, estou com a sensação de filho nascendo, de dever cumprido”, disse Pablo Lopes, produtor e produtor executivo do longa.

A recepção do público foi bastante positiva. Ao final da primeira exibição do longa, o histórico Cinema São Luiz, localizado na Rua da Aurora, no centro do Recife, era palco de união das palmas de uma sala lotada. O espectador Alfredo Gaspar, 68 anos, que chegou a acompanhar Santas Missões do Frei Damião em Gravatá, no Agreste, foi só elogios para o longa. “Eu, que vi a sua santidade com o povo quando era rapaz e prestei serviço assistencial no Convento de São Félix, gostei demais do filme. Retratou muito bem a vida do frei, seu sofrimento, suas missões, seu ser”.

IMG_1341.JPG
Deby Brennand e Frei Jociel Gomes

O Frei Jociel Gomes, consultor de conteúdo do longa e vice-postulador da causa de canonização do Frei Damião, viu nas telas no Cinema São Luiz um sonho conquistado. “Está se tornando realidade agora e é muito interessante ver a figura de Frei Damião, que é um ícone não só religioso, mas também cultural, representado no cinema”, comentou. Em uma perspectiva diferente, também foi um sonho realizado para a roteirista do longa, Nadezhda Bezerra. “Eu vinha aqui no Cine PE enquanto estudante, então vir agora, com meu primeiro filme, depois de aplaudir tantos outros, é uma sensação incrível”, disse a escritora.

Depois de ovacionado na première, a expectativa é de que o documentário Frei Damião - O Santo do Nordeste vá para 26 salas de Brasil ainda neste ano, com distribuição da EloCompany. O longa contou com o incentivo da Ancine e patrocínio do Café Santa Clara, da Petrovia, da CHESF, do BNB, da Kicaldo, da Atiaia Energia e da Loja do Condomínio.

Curta-metragem Parto Sim, de Kátia Mesel

Além do longa Frei Damião - O Santo do Nordeste, a noite de abertura do Cine PE contou com a exibição do curta-metragem Hors Concours Parto Sim, da pernambucana Kátia Mesel. A produção aborda temáticas como gravidez, adoção e aborto, e, mais especificamente, a realidade de gestantes nativas de Fernando de Noronha, que enfrentam dificuldades para parir os bebês na ilha em face da ausência de estrutura hospitalar adequada que viabilize os procedimentos.

IMG_1291.JPG
Nínive Caldas

Homenagem à Graça Araújo

Outro ponto alto da noite de abertura da 23ª edição do Cine PE foi a homenagem à jornalista Graça Araújo, falecida vítima de um AVC em setembro do ano passado. Ela foi a voz do festival durante 22 anos. Mas não foi esquecida. Por meio de um holograma na tela e parede no Cinema São Luiz, Graça passou o bastão da apresentação do festival para a atriz pernambucana Nínive Caldas.

A organização do Cine PE também presenteou a família da jornalista Graça Araújo com o troféu Calunga de Ouro. “Graça tinha um carinho muito especial pelo festival. Sem ela a gente não seria nada”, disse Sandra Bertini, organizadora do Cine PE. Emocionada, a irmã de Graça, Conceição Soares, recebeu o troféu e o dedicou ao público da jornalista: “a todos que a amaram”.

Ficha técnica do documentário Frei Damião - O Santo do Nordeste
Direção - Deby Brennand
Consultoria de Conteúdo - Frei Jociel Gomes
Roteiro - Nadezhda Bezerra
Produção - Gerardo Lopes e Pablo Lopes
Produção Associada - Fátima Cartaxo e Otacílio Cartaxo (in memoriam)
Produção Executiva - Gerardo Lopes, Jairo Chaves e Pablo Lopes
Direção de Produção - Mariana Jacob
Direção de Fotografia - Breno César
Edição de Som e Mixagem - Paulo Umbelino e Pablo Lopes
Montagem - Rodrigo Guilherme
Direção de Arte - Denis Netto
Trilha Sonora Original - Piero Bianchi

IMG_1474.JPG

IMG_1305.JPG
Sandra Bertini, Deby Brennand e Nínive Caldas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROFESSORA INDIGNADA ESCREVE AO BLOG DO JAIRO GOMES