Em seis meses, previsão de alta do PIB brasileiro despenca de 2,53% para 1%

Por Brasil Econômico

No começo do ano, expectativa era de que economia crescesse 2,53%; agora, em sua 15ª queda consecutiva, projeções apontam alta de apenas 1%

Isac Nóbrega/PR
Reduções na expectativa do PIB para o fim do ano podem resultar
 em pior cenário do que em 2018

Analistas do mercado financeiro reduziram, pela 15ª vez consecutiva, as previsões de crescimento da economia brasileira para o fim deste ano. De acordo com o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (10) pelo Banco Central (BC), a estimativa é de que o Produto Interno Bruto (PIB) do País cresça 1% em 2019.

Na semana passada, a expectativa era de que o crescimento fosse de 1,13% . As projeções do PIB brasileiro vem em queda constante desde janeiro, quando a estimativa era de que o Brasil crescesse 2,53% no ano . De lá para cá, a queda foi rápida, alcançando hoje o 1%.

As revisões na expectativa de crescimento da economia brasileira f icou ainda mais intensa após a divulgação do resultado do PIB do primeiro trimestre deste ano, que apresentou retração de 0,2% .

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também admitiu que as projeções do governo foram reduzidas. Ao dizer que o Brasil está "no fundo do poço" , ele admitiu que a expectativa, que era de crescimento de 2,5%, caiu para 1,5%.

Com a redução na previsão, a estimativa de alta do PIB alcança o mesmo nível em que o Brasil encerrou o ano passado, em 1,1% . Ao atingir o pequeno índice de 2018 ainda no meio do ano, as probabilidades de que o País tenha um crescimento bem inferior ao do ano passado aumentam. 

Para 2020, o Boletim Focus manteve a previsão revisada na semana passada, de 2,50% para 2,23%. Já a previsão de expansão da economia para 2021 e para 2022 continuou em 2,5% para os dois anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara