Brasil atinge maior nível histórico de letalidade violenta intencional

Levantamento aponta que, em 2017, o Brasil teve 65.602 pessoas assassinadas; 75,5% das vítimas de homicídio são negras

IS Ingrid Soares

(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Um levantamento do Atlas da Violência de 2019, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que em 2017, o Brasil teve 65.602 pessoas assassinadas. Trata-se do maior nível histórico de letalidade violenta intencional no país.

Outro retrato da pesquisa mostra que as mortes violentas acometem principalmente a população masculina jovem entre 15 a 19 anos.
Os negros representam 75,5% das vítimas de homicídio. Para essa parcela da população, a taxa de mortes chega a 43,1 por 100 mil habitantes - para não negros, a taxa é de 16.

Apesar de as vítimas negras corriqueiramente serem maioria nos registros, o dado de 2017 mostra que essa prevalência tem crescido. Em 2007, por exemplo, os negros eram 63,3% dos assassinados, proporção que aumentou continuamente até atingir os 75,5% em 2017 - foram 49,5 mil homicídios contra negros naquele ano e 16 mil de não negros.

O estudo foi divulgado, nesta quarta-feira (5/6), com base no Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde. Esse é o maior nível histórico de letalidade violenta intencional no país, que atingiu uma taxa de 31,6 mortes violentas para cada 100 mil habitantes.

(foto: Atlas da Violência 2019) 

Homicídios no país 

A evolução das taxas de homicídios entre 2007 e 2017 foi diferenciada entre as regiões brasileiras. Enquanto houve uma diminuição nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, foi observada estabilidade do índice na região Sul e um crescimento acentuado no Norte e no Nordeste. Os dados revelam que o Ceará, o Acre e o Rio Grande do Norte estão entre os estados com o maior crescimento da violência em 2017.

(foto: Atlas da Violência 2019) 

Segundo os pesquisadores, o forte crescimento da letalidade nas regiões Norte e Nordeste, nos últimos dois anos, pode ser explicado pela pela guerra de facções criminosas deflagrada entre junho e julho de 2016 (Manso e Dias, 2018) entre os dois maiores grupos de narcotraficantes do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV); e seus aliados regionais como as facções Família do Norte, Guardiões do Estado, Okaida, Estados Unidos e Sindicato do Crime.

DF 

O Distrito Federal foi a segunda unidade federativa com maior redução na taxa de homicídio em 2017 (perdendo apenas para Rondônia), fato que vem ocorrendo desde 2012, período em que a queda foi 44,3%. Segundo o Atlas, fatores como a melhoria das investigações realizadas pela PCDF e a intensificação da política de apreensão de armas da PMDF contribuiram para este resultado. 

LGBTI+

O Atlas trouxe ainda um capítulo inédito sobre a violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais (LGBTI ). Segundo a pesquisa, apesar de não haver dados do tamanho da população LGBTI , uma vez que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não faz pesquisa sobre orientação sexual, mas foram utilizados dados do Disque 100, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e do Ministério da Saúde. 

Com isso, foi possível apontar que o número de assassinatos de integrantes da comunidade LGBTI aumentou 126%, com forte crescimento nos últimos seis anos, saindo de um total de 5 casos, em 2011, para 193 casos, em 2017. 

(foto: Atlas da Violência 2019) 

Os pesquisadores afirmam que o aumento poderia ser justificado pela diminuição da subnotificação no período. Contudo, se isso explicasse totalmente o crescimento de homicídios de pessoas LGBTI , não deveriam ser observadas dinâmicas contrárias nas denúncias totais, nas denúncias de lesão corporal, ou ainda nas denúncias de tentativa de homicídio para essa mesma população, que diminuíram, durante o período. Inclusive, o número de homicídios supera o número de tentativas de homicídio a partir de 2014.

Influência na economia 

O impacto da violência no país pode ser sentido na economia. O Ipea apontou que os gastos relacionados à violência correspondem a 6% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Feminicídio 

Outro ponto do estudo mostra que o número de assassinatos por armas de fogo bateram recorde no país, em 2017, crescendo 6%, com 65,2 mil vítimas. Também houve um aumento nos homicídios de mulheres em 2017 – fenômeno já registrado pelo Monitor da Violência. São 4.936 mulheres vítimas. A taxa passou de 3,9 para 4,7 assassinadas a cada 100 mil.

(foto: Atlas da Violência 2019)

O Atlas revela ainda o perfil dos homicídios no país, analisando os 618 mil assassinatos praticados no Brasil entre 2007 e 2017: 92% das vítimas eram homens, e apenas 8% mulheres. A maior parte possuía baixa escolaridade: 74,6% dos homens e 66,8% das mulheres vítimas tinham até sete anos de estudo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara