Com homenagem às mulheres, Galo da Madrugada abre 42º desfile

Previsão é que a festa do maior bloco do mundo se estenda até a noite, com mais de dois milhões de pessoas

Por: Portal FolhaPE, com informações de Luiza Alencar

42º desfile do Galo da Madrugada
Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Com sua originalidade e irreverência, o Galo da Madrugada já toma as ruas do Bairro do Recife e começa a arrastar uma multidão de foliões em sua 42° edição. A abertura do desfile ocorreu às 9h com a tradicional anunciação dos clarins e trombetas em carro alegórico. 

Este ano, inspirado no tema “Frevo Mulher”, o maior bloco de rua do mundo reverencia a garra e a altivez feminina com alegorias que retratam algumas personalidades que desfilarão como destaques. São elas: Amelinha (cantora e compositora), Fabiana Karla (atriz), Lia de Itamaracá (dançarina, cantora e compositora), Yane Marques (pentatleta) e Léa Lucas (foliã). 

O Galo terá seis alegorias e 24 trios elétricos, nos quais se apresentarão artistas locais como Almir Rouche, André Rio e Nena Queiroga, e também nomes nacionais, a exemplo de Ela Ramalho, Fafá de Belém, Tony Garrido e Gaby Amarantos. São seis quilômetros de percurso, sob o embalo eletrizante dos ritmos carnavalescos pernambucanos. A festa do Galo da Madrugada segue até 18h30, e estima-se que o público se mantenha acima dos dois milhões. 

Ordem do cortejo:

- Alegoria especial

- Clarins e trombetas, anunciando a chegada do Galo da Madrugada;

- Carro abre-alas, com passistas de frevo e o tradicional Galo tendo como inspiração a alegria de Léa Lucas, uma das foliãs mais icônicas do Carnaval do Recife;

- Alegoria “Frevo Mulher”, que carrega o tema do Carnaval 2019 e todas as referências da canção de Zé Ramalho, tendo como inspiração a cantora e compositora Amelinha, com ícones como a dama do paço e a Mulher do Dia;

- Alegoria “Pernambucana de Raça”, ilustrando a história de garra e resistência de Yane Marques e trazendo referência das corredoras da Grécia Antiga; 

- Alegoria “Ciranda de Lia”, narrando a história de Lia de Itamaracá com elementos como jangadas, coqueiros e a tradicional ciranda;

- Alegoria “Oh, Bela”, encerrando o desfile com a inspiração na canção “Oh, Bela”, de Capiba, fazendo referência à irreverência de Fabiana Karla.

Majestoso

Na Ponte Duarte Coelho, a escultura gigante do Galo observa o desfile. Neste ano, ele é chamado de "Galo artesão" e metade dele foi construído com restos de materiais utilizados no polo de confecções do Agreste pernambucano. A escultura tem 28 metros e pesa cinco toneladas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gabarito preliminar das provas do Concurso Público da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe

Carreata da Frente Popular lota as ruas de Santa Cruz do Capibaribe em apoio à campanha de Paulo Câmara